Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Estaria o Japão usando as tensões entre EUA e China para aumentar sua capacidade militar?

© AP Photo / Jason TarletonNesta foto divulgada pelo Comando Indo-Pacífico dos EUA, o grupo de ataque de porta-aviões do Reino Unido liderado pelo HMS Queen Elizabeth (R 08) e as Forças de Autodefesa Marítima do Japão lideradas pelo destróier de helicópteros da classe Hyuga (JMSDF) JS Ise (DDH 182 ) juntaram-se aos grupos de ataque de porta-aviões da Marinha dos EUA liderados pelos navios-chefe USS Ronald Reagan (CVN 76) e USS Carl Vinson (CVN 70) para conduzir várias operações de grupo de ataque de porta-aviões no mar das Filipinas, em 3 de outubro de 2021
Nesta foto divulgada pelo Comando Indo-Pacífico dos EUA, o grupo de ataque de porta-aviões do Reino Unido liderado pelo HMS Queen Elizabeth (R 08) e as Forças de Autodefesa Marítima do Japão lideradas pelo destróier de helicópteros da classe Hyuga (JMSDF) JS Ise (DDH 182 ) juntaram-se aos grupos de ataque de porta-aviões da Marinha dos EUA liderados pelos navios-chefe USS Ronald Reagan (CVN 76) e USS Carl Vinson (CVN 70) para conduzir várias operações de grupo de ataque de porta-aviões no mar das Filipinas, em 3 de outubro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 15.01.2022
Nos siga noTelegram
Os ministros de Defesa e Relações Exteriores do Japão e dos EUA anunciaram na semana passada o reforço "essencial" da capacidade militar de Tóquio para "fortalecer sua defesa nacional e contribuir para a paz e a estabilidade" na região.
Durante conversa realizada no dia 7 de janeiro, os ministros da Defesa e das Relações Exteriores do Japão e dos Estados Unidos anunciaram em comunicado conjunto que a capacidade militar do país do sol nascente será "fundamentalmente reforçada" para "fortalecer sua defesa e contribuir para paz e estabilidade" no Indo-Pacífico.
Tóquio e Washington pretendem fortalecer suas capacidades militares nos campos "terrestre, marítimo, aéreo, defesa antimísseis, espaço, espectro cibernético e eletromagnético", entre outros. O texto indica que ambas as nações "receberam com satisfação o aprofundamento da cooperação, incluindo missões de proteção de ativos e operações conjuntas de inteligência, vigilância e reconhecimento, treinamento e manobras, bem como opções flexíveis de dissuasão e mensagens estratégicas".
Desta forma, autoridades japonesas e americanas pretendem alcançar um sucesso muito mais rápido no desenvolvimento de tecnologias de ponta e na criação de tipos de armas capazes de combater os mísseis hipersônicos e as armas espaciais de potenciais adversários, segundo especialistas do Bureau Nacional de Pesquisa Asiática dos EUA em relatório recente.
Nos últimos anos, Tóquio vem aumentando seu poder militar pelo fato de pretender garantir uma coexistência pacífica de longo prazo com Pequim, cujas atividades no mar da China Oriental prejudicam a estabilidade regional especialmente pelos robustos programas nucleares e de mísseis de Pyongyang.
Navios da Força Marítima de Autodefesa do Japão e da Marinha da Índia navegam em formação com o HMAS Warramunga, da Marinha Real Australiana, e o destróier de mísseis guiado USS Barry (DDG 52) da classe Arleigh Burke, durante exercícios Malabar-2021 em 27 de agosto de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 06.01.2022
Panorama internacional
Austrália e Japão assinam pacto de defesa para acelerar implantações militares no Indo-Pacífico
Com o crescente poderio militar da China, o domínio militar dos EUA no Indo-Pacífico vem se enfraquecendo. O Japão, por sua vez, deve considerar que confiar exclusivamente em Washington pode ser arriscado. Desta forma, a combinação de forças japonesas e americanas na região, pode equiparar-se ao poderio militar do gigante asiático, que possui entre cinco e 5,6 vezes mais submarinos, encouraçados e modernos aviões de combate que os mobilizados pelo Comando Indo-Pacífico da nação norte-americana, informa o portal Nikkei Asia.
De acordo com um ex-oficial militar de alto escalão dos EUA, as forças dos EUA perderam muitas vezes para os rivais chineses em exercícios de mesa, que imitam os conflitos no estreito de Taiwan.
Como consequência, em maio de 2021, foi aprovada uma proposta pela comissão de defesa do Partido Liberal Democrático Japonês para aumentar "fortemente" o orçamento militar. Assim, em dezembro passado, o gabinete do primeiro-ministro Fumio Kishida aprovou um orçamento de defesa de US$ 47 bilhões (cerca de R$ 260 bilhões) para o ano fiscal de 2022 (que é cerca de 0,95% da estimativa do PIB para o mesmo período). Segundo o Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz de Estocolmo (SIPRI, na sigla em inglês), um aumento de gastos militares de 1,1% em relação ao orçamento do ano fiscal de 2021. O instituto aponta ainda, que em 2020, o gasto militar do Japão foi o nono maior do mundo.
EUA promovem política de confrontos no Indo-Pacífico - Sputnik Brasil, 1920, 30.11.2021
Na contramão da paz no Indo-Pacífico

Escalada de tensões

O comentarista do Nikkei Asia, Hiroyuki Akita, destacou que a decisão do Japão de ampliar sua cooperação de segurança com os EUA, Austrália, União Europeia e Índia pode provocar uma reação negativa de Pequim e intensificar as tensões na região.
"É vital que o governo japonês assegure que os líderes chineses compreendam de forma clara e precisa seus objetivos estratégicos por meio de um diálogo contínuo", disse ele. Hiroyuki acrescentou que Pequim e Tóquio entenderiam mal as intenções um do outro e adotariam uma postura de confronto, e o risco de uma crise de segurança cresceria a níveis assustadores.

"Nenhuma estratégia de segurança nacional para lidar com as ameaças da China seria viável se fosse composta apenas por respostas militares. Por isso, a estratégia deve basear-se em uma diplomacia séria e eficaz e em comunicações fiáveis," concluiu.

© AP Photo / Eugene HoshikoTanques Tipo 90 da Força de Autodefesa Terrestre Japonesa (JGDDF, na sigla em inglês) se movem para posições durante o exercício anual com munições reais no acampamento Minami Eniwa, 6 de dezembro de 2021, em Eniwa, ilha de Hokkaido, no norte do Japão
Tanques Tipo 90 da Força de Autodefesa Terrestre Japonesa (JGDDF, na sigla em inglês) se movem para posições durante o exercício anual com munições reais no acampamento Minami Eniwa, 6 de dezembro de 2021, em Eniwa, ilha de Hokkaido, no norte do Japão - Sputnik Brasil, 1920, 15.01.2022
Tanques Tipo 90 da Força de Autodefesa Terrestre Japonesa (JGDDF, na sigla em inglês) se movem para posições durante o exercício anual com munições reais no acampamento Minami Eniwa, 6 de dezembro de 2021, em Eniwa, ilha de Hokkaido, no norte do Japão
O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, afirmou na sexta-feira passada (7) que a posição do gigante asiático sobre a questão de Taiwan, bem como sobre questões relacionadas aos mares do Sul da China e da China Oriental, região de Xinjiang e Hong Kong, é " clara e consistente."
"Lamentamos e rejeitamos a flagrante interferência dos EUA, Japão e Austrália nos assuntos internos da China, a fabricação de mentiras para difamar a China e a sabotagem da solidariedade e confiança mútua entre os países da região", disse ele.
O diplomata sublinhou que para "defender a paz, a estabilidade e o desenvolvimento no Leste Asiático e na Ásia-Pacífico" é necessário "defender o verdadeiro multilateralismo, respeitar o quadro aberto e inclusivo de cooperação regional que se formou ao longo dos anos e embarcar no caminho da solidariedade, do diálogo e da cooperação".
A China exortou os Estados Unidos, o Reino Unido e a Austrália a interromper o plano de cooperação do submarino nuclear AUKUS no Indo-Pacífico, "parar de avançar no despejo de água contaminada pela energia nuclear de Fukushima no Pacífico, parar de negar e encobrir a história de agressão militarista e buscar o status de potência militar exagerando a situação da vizinhança, e deixar de alimentar a divisão e o confronto entre os países da região".
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала