Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
Trabalhador da saúde segura seringa em ponto de vacinação contra a COVID-19 em loja de departamentos GUM de Moscou, Rússia - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Propagação e combate à COVID-19
Informações atuais sobre a dissimilação de coronavírus no Brasil e no mundo. Fique por dentro das principais notícias sobre o tema.

Criança indígena é a 1ª vacinada contra a COVID-19 no Brasil

© Folhapress / Renato S. CerqueiraEm São Paulo, David Seremramiwe Xavante, indígena de 8 anos, é a primeira criança vacinada contra a COVID-19, em 14 de janeiro de 2022
Em São Paulo, David Seremramiwe Xavante, indígena de 8 anos, é a primeira criança vacinada contra a COVID-19, em 14 de janeiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 14.01.2022
Nos siga no
Nesta sexta-feira (14), o menino indígena Davi Seremramiwe Xavante, de oito anos, foi vacinado durante evento em São Paulo, tornando-se a primeira criança a receber uma dose de um imunizante contra a COVID-19 no Brasil.
O evento foi realizado por volta das 12h00 e foi organizado pelo governo do estado de São Paulo. Davi é morador da cidade interiorana de Piracicaba e realiza tratamento médico no Hospital das Clínicas, na capital paulista.
Outras crianças também foram vacinadas no evento. São elas: Caio Emanuel Oliveira, de dez anos, Valentina Moreira, de seis anos, e Gianlucca Trevellin, de nove anos. Todas são crianças com problemas de saúde.
Assim como no caso da primeira pessoa vacinada no Brasil, em 17 janeiro de 2021, a cerimônia teve a presença do governador paulista, João Doria (PSDB).
© Folhapress / Aloisio Mauricio / FotoarenaMônica Calazans, enfermeira de 54 anos do Instituto Emílio Ribas, em São Paulo, é a primeira vacinada contra a COVID-19 no Brasil
Mônica Calazans, enfermeira de 54 anos do Instituto Emílio Ribas, em São Paulo, é a primeira vacinada contra a COVID-19 no Brasil - Sputnik Brasil, 1920, 14.01.2022
Mônica Calazans, enfermeira de 54 anos do Instituto Emílio Ribas, em São Paulo, é a primeira vacinada contra a COVID-19 no Brasil
Apesar da aplicação das primeiras doses, a vacinação de crianças de cinco a 11 anos em São Paulo só terá início na segunda-feira (17), assim como no Rio de Janeiro, em Goiânia e no Distrito Federal. A maior parte das outras capitais aguarda o calendário do Ministério da Saúde.
A expectativa é que a campanha de vacinação infantil ocorra de forma escalonada, assim como as campanhas anteriores para adultos e adolescentes. A prioridade deve ser para crianças com comorbidades. O governo de São Paulo espera vacinar até 4,3 milhões de crianças em três semanas. Em todo o Brasil, há cerca de 20 milhões de crianças.
Na quinta-feira (13), as primeiras 1,2 milhão de doses de vacinas para crianças chegaram ao Brasil para serem distribuídas aos estados e municípios seguindo critério populacional. A expectativa do governo é receber 20 milhões de unidades da vacina no primeiro trimestre – metade do necessário para a vacinação no regime de duas doses.

Atraso e oposição do governo federal

Apesar de aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em dezembro passado, a vacinação no país sofreu atrasos devido às pressões do governo federal contra a aprovação e aplicação do imunizante.
Mesmo com a aprovação técnica e o amplo uso das vacinas em crianças de diversos países, como Estados Unidos, Chile e Israel, a compra dos imunizantes foi antecedida por uma consulta e logo depois uma audiência pública com o objetivo de ouvir a população, o que atrasou o início da campanha de imunização infantil no Brasil.
© AFP 2021 / EVARISTO SAO presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, discursa durante cerimônia em Brasília, em 9 de dezembro de 2021
O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, discursa durante cerimônia em Brasília, em 9 de dezembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 14.01.2022
O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, discursa durante cerimônia em Brasília, em 9 de dezembro de 2021
O presidente brasileiro Jair Bolsonaro (PL) deu diversas declarações se dizendo contrário à aprovação e mais tarde tentando exigir prescrição médica e autorização dos pais para a aplicação das vacinas pediátricas. Bolsonaro também incitou a divulgação dos nomes dos técnicos da Anvisa envolvidos no processo de avaliação das vacinas, o que gerou uma série de ataques contra os funcionários da agência que estão sendo apurados pela Polícia Federal.
Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала