Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
Trabalhador da saúde segura seringa em ponto de vacinação contra a COVID-19 em loja de departamentos GUM de Moscou, Rússia - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Propagação e combate à COVID-19
Informações atuais sobre a dissimilação de coronavírus no Brasil e no mundo. Fique por dentro das principais notícias sobre o tema.

Resfriados comuns podem gerar proteção contra a COVID-19, diz estudo britânico

© REUTERS / Thilo SchmuelgenProfissional da saúde trabalha em testes de COVID-19 em Colônia, na Alemanha, em 20 de dezembro de 2021
Profissional da saúde trabalha em testes de COVID-19 em Colônia, na Alemanha, em 20 de dezembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 10.01.2022
Nos siga no
Um novo estudo realizado no Reino Unido, publicado no jornal científico Nature Communications, indica que resfriados comuns podem ajudar a reduzir as chances de contrair a COVID-19.
A pesquisa, conduzida por cientistas do Imperial College London, aponta que a presença de células T no organismo, induzidas por outros tipos mais brandos de coronavírus, aumentam a proteção contra o SARS-CoV-2.
Os estudos anteriores sobre o tema mostravam apenas que as células T poderiam reconhecer o novo coronavírus, sem determinar a capacidade de proteção.
Segundo os pesquisadores, as descobertas fornecem um modelo para uma vacina universal de segunda geração, que pode prevenir a infecção das variantes atuais - incluindo a Ômicron - e futuras do SARS-CoV-2.

"Descobrimos que altos níveis de células T pré-existentes, criadas pelo corpo quando infectadas com outros coronavírus humanos como o do resfriado comum, podem proteger contra a COVID-19", afirmou a autora do estudo, Rhia Kundu.

A pesquisa envolveu 52 participantes expostos ao vírus. Antes de serem selecionados, todos tiveram contato com pessoas infectadas pela COVID-19, com confirmação de testes RT-PCR.
Os cientistas descobriram que havia níveis significativamente mais altos das células T nas 26 pessoas que não contraíram a COVID-19, em comparação com as outras 26 que foram infectadas.
Homem com máscara de proteção carregando garrafas de gás durante a disseminação da doença do coronavírus (COVID-19) em Nicósia, Chipre, 5 de janeiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 08.01.2022
Propagação e combate à COVID-19
Deltacron: nova cepa da COVID-19, combinação das variantes Delta e Ômicron, detectada no Chipre
O estudo começou em setembro de 2020, quando a maioria das pessoas no Reino Unido não havia sido infectada nem vacinada contra o SARS-CoV-2. A pesquisa não revelou quanto tempo duraria a proteção.

"Embora esta seja uma descoberta importante, é apenas uma forma de proteção, e eu enfatizo que ninguém deve confiar apenas nisso. A melhor maneira de se proteger contra a COVID-19 é estar totalmente vacinado, incluindo receber a dose de reforço", ressaltou Kundu.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала