Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Ashraf Ghani diz à mídia que foi 'bode expiatório' e culpa Trump por queda de Cabul

© REUTERSAshraf Ghani, presidente do Afeganistão, fala no parlamento em Cabul, Afeganistão, 2 de agosto de 2021
Ashraf Ghani, presidente do Afeganistão, fala no parlamento em Cabul, Afeganistão, 2 de agosto de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 31.12.2021
Nos siga no
Ex-presidente do Afeganistão justificou sua saída do país no dia 15 de agosto dizendo que tudo aconteceu de maneira muito rápida e que, caso ele continuasse, Cabul seria destruída.
Durante entrevista à BBC Radio 4, o ex-presidente explicou que não tinha a menor noção de que o dia 15 de agosto seria seu último no Afeganistão e que ele só entendeu de fato que estava saindo do país quando o avião já havia decolado.
Militante do Talibã faz busca em carro em um ponto de controle de Cabul, Afeganistão, 27 de novembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 29.11.2021
Panorama internacional
WSJ: Talibã tinha agentes infiltrados no Afeganistão durante ocupação norte-americana
Ghani disse que o fatídico dia começou com o Talibã (organização sob sanções da ONU por atividade terrorista) garantindo que não entraria na capital, "mas duas horas depois, não foi isso que aconteceu".
"Duas facções diferentes do Talibã estavam se aproximando de duas diferentes direções", explicou o ex-presidente à BBC. "A possibilidade de um grande conflito entre as duas, que poderia destruir a cidade de cinco milhões de habitantes e trazer o caos para a população, era enorme", disse Ghani.
De acordo com a entrevista, Ghani explica que inicialmente o plano era pegar um carro e ir para o Ministério da Defesa, porém o veículo não teria chegado e rapidamente o plano se transformou em uma ida para a cidade de Khost e depois na saída do país.
"Ele [conselheiro de segurança nacional] não me deu mais de dois minutos", disse Ghani. "Minhas instruções foram para que eu me preparasse para ir para Khost. Ele me disse depois que Khost havia caído, assim como Jalalabad. Eu não sabia para onde iríamos. Somente quando decolamos é que ficou claro para mim que estávamos saindo [do Afeganistão]. Então foi tudo muito rápido."
O ex-presidente foi criticado internacionalmente, inclusive pelo seu vice-presidente, e também foi acusado de ter recebido dinheiro para fugir do país, o que ele negou durante a entrevista.
"Eu gostaria de declarar categoricamente, eu não levei nenhum dinheiro para fora do país [...] Todos conhecem o meu estilo de vida, o que eu faria com o dinheiro?", afirmou Ghani.
No entanto, o ex-presidente não descartou toda a culpa, dizendo que ele cometeu alguns erros, como "assumir que a paciência da comunidade internacional iria durar". Ghani também criticou o acordo feito entre o Talibã e os Estados Unidos, durante o governo Trump, que segundo ele levou aos acontecimentos do dia 15 de agosto e "apagou" o Afeganistão.
"Foi um golpe violento e não um acordo político, ou um processo político em que a população foi envolvida", acusou o ex-presidente. "O trabalho da minha vida foi destruído. Meus valores foram atropelados e eu fui usado como bode expiatório", finalizou Ashraf Ghani.

Ocupação norte-americana

Após assinar um acordo com os EUA em fevereiro de 2020, durante o governo Trump, que previa a retirada das tropas desse país e da OTAN até abril de 2021, prazo prorrogado por meio ano pela nova administração norte-americana de Joe Biden, o Talibã conquistou rapidamente a maior parte do país após uma grande ofensiva em agosto de 2021.
Porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, durante coletiva de imprensa, Afeganistão, 6 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 29.12.2021
Panorama internacional
No Afeganistão já não existem Daesh ou forças da Frente de Resistência, diz representante do Talibã
Depois de 20 anos de ocupação, as Forças Armadas dos Estados Unidos completaram a retirada definitiva de suas tropas no dia 30 de agosto de 2021, o que levou à retomada do poder pelo Talibã. A ocupação do Afeganistão foi uma resposta do governo norte-americano, à época chefiado por George W. Bush, aos ataques terroristas do dia 11 de setembro de 2001.
Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала