Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Militar do Brasil: Rússia avança na defesa por saber focar em objetivos e investir em reestruturação

© Sputnik / Yevgeny Odinokov / Abrir o banco de imagensSistemas de defesa antiaérea S-400 Triumph (imagem referencial)
Sistemas de defesa antiaérea S-400 Triumph (imagem referencial) - Sputnik Brasil, 1920, 22.12.2021
Nos siga no
Especiais
A Sputnik Brasil conversou com o oficial da Marinha e especialista militar Robinson Farinazzo para saber como a Rússia poderia ter armas modernas e eficientes com um orçamento militar relativamente baixo.
Na terça-feira (21), o ministro da Defesa da Rússia, general de exército Sergei Shoigu, afirmou que as Forças Armadas russas alcançaram 71,2% de equipamentos modernos e que o número de armas de precisão nas Forças Armadas chegará a 30% até 2026.
Falando sobre como a Rússia poderia ter armas modernas e eficientes com um orçamento militar relativamente baixo, o oficial da Marinha, piloto e especialista militar Robinson Farinazzo fez questão de primeiramente ressaltar que a Rússia conta com um ministro da Defesa extremamente competente e que sabe o que faz.
Além disso, o especialista ressalta que outro ponto a destacar no avanço russo é o gasto da defesa dos EUA, que entre Afeganistão e Iraque teriam gasto alguns trilhões de dólares em operações desastrosas, sendo que os norte-americanos poderiam em 20 anos, gastando uma quantia não tão alta, ter construído pelo menos sete porta-aviões de última geração, contudo preferiram gastar o dinheiro "nas montanhas do Afeganistão e nos desertos do Iraque".
Enquanto isso, a China e a Rússia modernizaram seus arsenais, com os chineses desenvolvendo uma nova geração de mísseis hipersônicos, enquanto que a Rússia sempre teve tecnologias "fora de série".
"O equipamento russo, em comparação ao ocidental, tem uma filosofia diferente [...]", afirmou o especialista, ressaltando que, além disso, os equipamentos russos são convenientes, de baixo custo e práticos, sem importar a parte estética.
"Os russos já tinham um parque tecnológico 'fora de série'. A reestruturação que o Putin faz da Rússia a partir de 2000 [...] é investindo efetivamente [na reestruturação]", destacou.
O especialista também referiu que tanto a Rússia quanto a China conseguem tirar o máximo do rendimento de um orçamento mais enxuto, além de disputarem conflitos de uma forma inteligente, enquanto os EUA seguiram desperdiçando dinheiro em combates perdidos.
"A sabedoria da Rússia e da China está em saber focar nos objetivos. Eu vejo os EUA hoje com uma gama de objetivos muito ampla, mas não sei se eles terão recursos e dinheiro para isso", explicou.

Rússia elevando capacidades militares com novos equipamentos

Recentemente, Rússia também concluiu com êxito os testes do drone de ataque e reconhecimento de longo alcance Altius-RU, tendo iniciado a implantação de sistemas de reconhecimento Inokhodets e Forpost no Exército russo.
Para o especialista militar Robinson Farinazzo, a Rússia teve um laboratório importante, que foi a guerra da Síria, onde puderam aprender muita coisa, bem como em Nagorno-Karabakh.
Segundo o especialista, atualmente a Rússia está antenada à capacidade de drones e guerra eletrônica, já que observou atentamente os cenários de combate das últimas guerras.

Fortalecimento da Rússia é páreo para a OTAN?

As Forças Armadas receberão mais de mil equipamentos únicos de blindados e artilharia, incluindo cinco divisões de sistemas de defesa antiaérea S-400, além de 257 aeronaves novas e modernizadas e 21 sistemas de mísseis intercontinentais Sarmat, Avangard e Yars.
Comentando o atual cenário entre a OTAN e a Rússia, o especialista afirma não estar certo de que a OTAN estaria disposta a travar uma guerra com a Rússia, já que a organização não conta apenas com a França, Alemanha, Reino Unido e EUA, mas também conta com países menores, como é o caso de Portugal, por exemplo.
Dessa forma, por exemplo, em caso de conflito com a Rússia em um cenário de guerra em defesa da Ucrânia, que não faz parte da OTAN, a organização teria que pedir contingentes a Portugal, um país-membro, e que certamente não cederia tão facilmente seus militares, pois isso acarretaria em perdas não apenas financeiras, como também humanas.
"O problema que eu vejo para a OTAN será convencer estas sociedades democráticas da necessidade de ir à guerra na Ucrânia", observou.
"Em termos de paridade tecnológica, eu acredito que os dois parques industriais se equivalem, mas eu duvido muito da efetividade do convencimento das sociedades ocidentais fazer uma guerra prolongada com a Rússia [...] Se a OTAN fizer uma guerra prolongada com a Rússia, será que todos esses países menores vão aguentar os custos depois de sair de uma pandemia?", ressaltou.

Rússia faz frente à coalizão da OTAN?

O ministro russo Sergei Shoigu declarou que os exercícios da OTAN buscam formar uma coalizão contra a Rússia com a participação da Geórgia, Moldávia e Ucrânia.
Falando sobre se a Rússia faria frente à coalizão da OTAN formada por estes países especificamente, o especialista afirma que, se houver uma guerra na Ucrânia, não será uma guerra simples, e se a OTAN for se envolver no conflito ela será obrigada a enviar divisões à Ucrânia.
Além disso, segundo o especialista, um eventual conflito ainda poderia se espalhar pela Europa, e não é certo de que os EUA estariam dispostos a pagar este preço, especialmente em meio a tantas crises que o mundo está vivendo.
Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала