Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Extradição de Assange seria 'incompreensível' após tentativa de assassinato pela CIA, diz sua noiva

© REUTERS / Tom NicholsonStella Morris, parceira de Julian Assange, fundador do WikiLeaks, e Kristinn Hrafnsson, editor-chefe do WikiLeaks, participam de manifestação antes da audiência de apelação sobre a extradição de Assange, em Londres, Reino Unido, 23 de outubro de 2021
Stella Morris, parceira de Julian Assange, fundador do WikiLeaks, e Kristinn Hrafnsson, editor-chefe do WikiLeaks, participam de manifestação antes da audiência de apelação sobre a extradição de Assange, em Londres, Reino Unido, 23 de outubro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 24.10.2021
Nos siga no
A possibilidade de o Reino Unido extraditar Julian Assange, denunciante do WikiLeaks, é "completamente incompreensível" depois das revelações feitas pelo portal Yahoo News, afirmou sua noiva.
Seria "completamente incompreensível" se Reino Unido concordasse em extraditar Julian Assange, fundador do WikiLeaks, para os EUA, após revelações de que a Agência Central de Inteligência (CIA, na sigla em inglês) do país conspirou para raptar e assassinar o denunciante em 2017 enquanto ele estava escondido na embaixada do Equador em Londres, disse Stella Moris, noiva do acusado.
"Desde a revelação de que a CIA conspirou para matar Julian dentro da embaixada, seria completamente incompreensível que o Reino Unido alguma vez concordasse com uma extradição", disse ela.
Moris juntou-se a centenas de pessoas que marcharam da sede da emissora BBC no centro de Londres, Reino Unido, para os Tribunais Reais de Justiça, onde o tribunal superior ouvirá na próxima semana um recurso interposto pelo Departamento de Justiça dos EUA contra uma decisão anterior de uma juíza distrital do Reino Unido de não extraditar Assange por motivos de saúde.
© REUTERS / Henry NichollsStella Morris, parceira de Julian Assange, fundador do WikiLeaks, sentada ao lado de Jeremy Corbyn, ex-líder do Partido Trabalhista (2015-2020) enquanto fala durante processo de tribunal que pede a libertação de Assange da prisão, em Londres, Reino Unido, 22 de outubro de 2021
Stella Morris, parceira de Julian Assange, fundador do WikiLeaks, sentada ao lado de Jeremy Corbyn, ex-líder do Partido Trabalhista (2015-2020) enquanto fala durante processo de tribunal que pede a libertação de Assange da prisão, em Londres, Reino Unido, 22 de outubro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Stella Morris, parceira de Julian Assange, fundador do WikiLeaks, sentada ao lado de Jeremy Corbyn, ex-líder do Partido Trabalhista (2015-2020) enquanto fala durante processo de tribunal que pede a libertação de Assange da prisão, em Londres, Reino Unido, 22 de outubro de 2021
Kristinn Hrafnsson, editor do WikiLeaks, que caminhou ao lado de Moris e vários legisladores trabalhistas britânicos na frente da marcha segurando uma faixa que dizia Não Extraditem Assange, também esperava que as revelações feitas no mês passado pelo portal Yahoo News ajudassem os juízes do Supremo Tribunal a descartar a extradição.
"Espero que o tribunal chegue à decisão correta e mantenha a decisão do tribunal magistrado de que ele não deve ser extraditado. Essa é a única decisão viável porque, se não, teria um impacto devastador sobre o futuro do jornalismo", apontou Hrafnsson.
Assange foi preso em Londres em 11 de abril de 2019, e condenado a 50 semanas de prisão por evitar fiança em 2012, quando se refugiou dentro da embaixada do Equador na capital britânica para evitar a extradição para a Suécia, onde enfrentava acusações de agressão sexual que mais tarde foram retiradas por um tribunal sueco.
O denunciante é procurado pelos EUA sob acusações de espionagem depois que o WikiLeaks publicou milhares de documentos classificados que lançaram luz sobre crimes de guerra cometidos pelas tropas norte-americanas no Iraque e no Afeganistão. Ele enfrenta até 175 anos em prisão solitária dentro de uma prisão americana de segurança máxima se for condenado nos EUA.
Em janeiro, Vanessa Baraitser, juíza distrital britânica decidiu contra a extradição de Assange para os EUA, citando razões de saúde e o risco de suicídio no sistema prisional desse país. No entanto, ela decidiu que o fundador do WikiLeaks deveria esperar na prisão pelo resultado de uma audiência de apelação nos EUA.
Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала