Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Após relatório final, Bolsonaro diz que CPI não fez nada de produtivo pelo Brasil: 'Só gerou ódio'

© Folhapress / Pedro Ladeira Cerimônia Oficial de Chegada do Presidente da República da Colômbia, Senhor Iván Duque Márquez em Brasília (DF), nesta terça-feira (19), com recepção do presidente Jair Bolsonar, 19 de outubro de 2021
Cerimônia Oficial de Chegada do Presidente da República da Colômbia, Senhor Iván Duque Márquez em Brasília (DF), nesta terça-feira (19), com recepção do presidente Jair Bolsonar, 19 de outubro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 20.10.2021
Nos siga no
Presidente afirma que trabalhos da comissão só trouxeram "ódio e rancor". Líder do governo no Senado defende o mandatário que, ainda hoje, sustentou novamente o uso de medicamentos sem eficácia contra a COVID-19, como a cloroquina.
Algumas horas depois da divulgação do relatório final da CPI da Covid hoje (20), o presidente, Jair Bolsonaro, declarou que a comissão "nada produziu" e que só "tomaram tempo" de servidores e empresários.
"Como seria bom se aquela CPI estivesse fazendo algo de produtivo para o nosso Brasil. Tomaram tempo do nosso ministro da Saúde, de servidores, de pessoas humildes e de empresários. Nada produziram a não ser ódio e rancor entre alguns de nós", afirmou Bolsonaro citado pelo G1.
De acordo com a mídia, o presidente se encontra na cidade de Russas, no Ceará, e durante as declarações proferidas perto de apoiadores, um deles gritou: "Renan, vagabundo", em referência ao relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL).
Em seguida, Bolsonaro respondeu: "A voz do povo é a voz de Deus".
Não é a primeira vez que o chefe do Executivo deprecia os trabalhos da CPI, ontem (19), afirmou que era "brincadeira" ter que se preocupar com o relatório final da comissão e disse estar "sendo perseguido", conforme noticiado.
O texto do documento sugere o indiciamento de Bolsonaro por dez possíveis crimes e de outras 65 pessoas. Entre elas, estão os ministros Marcelo Queiroga (Queiroga), Onyx Lorenzoni (Trabalho), Wagner Rosário (Controladoria Geral da União), Braga Netto (Defesa) e os filhos parlamentares do presidente.
Quem também contestou o relatório final e se pronunciou a favor do presidente foi o líder do governo no Senado, senador Fernando Bezerra (MDB).
Segundo Bezerra, Bolsonaro não prometeu "cura ou solução infalível" para pandemia, mesmo fazendo campanha para utilização de medicamentos que se demonstraram ineficazes.
"A pretensão de caracterizar o crime de charlatanismo, em razão das falas do presidente, não se sustenta, pois não houve nenhuma promessa de cura ou de uma solução infalível, e tais manifestações se inserem integralmente na proteção constitucional da liberdade de expressão do pensamento", afirmou o líder do governo citado pelo G1.
De acordo com a mídia, ainda hoje (20), durante a visita a Russas, Bolsonaro voltou a defender medicamentos sem eficácia comprovada contra o coronavírus, como ivermectina e cloroquina, e disse que os médicos devem ter autonomia para decidir o que receitar aos seus pacientes.
Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала