Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

General McKenzie dos EUA admite que ataque aéreo em Cabul 'foi um erro' e só matou civis afegãos

© AP Photo / Ahmad SeirO general dos fuzileiros navais Frank McKenzie, chefe do Comando Central dos EUA, participa de uma cerimônia em que o general Scott Miller, que serviu como o principal comandante da América no Afeganistão desde 2018, entregou o comando, na sede do Resolute Support, em Cabul, Afeganistão, 12 de julho de 2021
O general dos fuzileiros navais Frank McKenzie, chefe do Comando Central dos EUA, participa de uma cerimônia em que o general Scott Miller, que serviu como o principal comandante da América no Afeganistão desde 2018, entregou o comando, na sede do Resolute Support, em Cabul, Afeganistão, 12 de julho de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 17.09.2021
Nos siga no
Estados Unidos admitem que erraram no ataque aéreo em agosto no Afeganistão e confessam que as dez pessoas mortas pela investida eram civis afegãos, incluindo crianças.
Nesta sexta-feira (17), o chefe do Comando Central dos EUA (USCENTCOM, na sigla em inglês), general Frank McKenzie, admitiu que nenhum combatente do Estado Islâmico-Khorasan (EI-K), um ramo do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) no Afeganistão foi morto no ataque aéreo de 29 de agosto em Cabul. 
O ataque matou dez pessoas, incluindo crianças.
"Este ataque foi realizado com a convicção de que evitaria uma ameaça iminente às nossas forças e aos evacuados do aeroporto, mas foi um erro. Como comandante combatente, sou totalmente responsável por este ataque e seu trágico resultado", disse McKenzie citado pela CNBC.
Ele acrescentou que agora acredita ser improvável que o veículo atingido ou aqueles que morreram fossem militantes do Estado Islâmico-Khorasan ou representassem uma ameaça direta às forças norte-americanas no aeroporto de Cabul. 
O episódio aconteceu logo após ataques terroristas da organização que tinham como alvo multidões de civis, bem como soldados dos EUA e militantes do Talibã (grupo terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) fora do Aeroporto Internacional Hamid Karzai. Os bombardeios mataram quase 200 pessoas e feriram milhares.
Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала