Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Empresa israelense teria explorado vulnerabilidade de iPhones para implantar malware Pegasus

© AFP 2021 / JOEL SAGET Ilustração de smartphone com o site da empresa israelense NSO Group, desenvolvedora do spyware Pegasus, Paris, 21 d julho de 2021
 Ilustração de smartphone com o site da empresa israelense NSO Group, desenvolvedora do spyware Pegasus, Paris, 21 d julho de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 14.09.2021
Nos siga no
O grupo de direitos digitais CitizenLab revelou uma vulnerabilidade que permitia à empresa israelense NSO Group implantar virtualmente seu malware Pegasus nos dispositivos iPhone, Mac e Apple Watch.
O grupo desvendou essa vulnerabilidade na segunda-feira (13), uma semana após a ter descoberto ao analisar o celular de um ativista saudita que tinha sido infectado com o malware. A descoberta foi anunciada ao público logo depois que a Apple lançou uma atualização para corrigir a vulnerabilidade.
Essa vulnerabilidade possibilitou que os clientes do NSO Group enviassem arquivos maliciosos disfarçados de arquivos .gif para o celular de um alvo, o que deixava o dispositivo acessível para instalação do agora infame malware Pegasus.
O exploit (pedaço de software que tira vantagem de uma vulnerabilidade) é conhecido como sendo de "click zero", significando que o usuário alvo não teria que clicar em um link ou arquivo para permitir o malware em seu dispositivo.
Enquanto a maioria dos dispositivos Apple são vulneráveis, de acordo com especialistas, nem todos os afetados pelo malware foram violados desta forma. Ao invés disso, o NSO Group vendeu seu programa para clientes em todo o mundo, que o utilizou para espionar celulares de políticos rivais, jornalistas, ativistas e empresários.
Notícias sobre existência do malware surgiram pela primeira vez em julho, quando a Anistia Internacional e um grupo de mídias deram o alerta. Entre os acusados de utilizar o polêmico software estão os governos do Azerbaijão, Bahrain, Cazaquistão, México, Marrocos, Ruanda, Arábia Saudita, Hungria, Índia e os Emirados Árabes Unidos.
A lista vazada sugeriu que cerca de 52 mil nomes foram marcados como alvos possíveis de vigilância pelos clientes do NSO Group e cerca de um décimo desses alvos foram vigiados.
O NSO Group não comentou a recente pesquisa do CitizenLab, relatada apenas um dia antes da apresentação do iPhone 13 pela Apple, quando faltam duas semanas seu lançamento oficial.
Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала