China apoia investigação das origens da COVID-19, mas se opõe à politização, diz chancelaria chinesa

© AP Photo / Ng Han GuanMa Zhaoxu, vice-ministro chinês das Relações Exteriores, fala durante coletiva de imprensa no Ministério das Relações Exteriores chinês em Pequim, China, 22 de abril de 2021
Ma Zhaoxu, vice-ministro chinês das Relações Exteriores, fala durante coletiva de imprensa no Ministério das Relações Exteriores chinês em Pequim, China, 22 de abril de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 29.08.2021
Nos siga noTelegram
Pequim afirmou estar disponível para investigar as origens da atual pandemia provocada pelo SARS-CoV-2, mas instou Washington a reciprocar a ação em suas bases dentro e fora do país.

Pequim apoia as investigações científicas em andamento que procuram rastrear as origens da COVID-19, mas se opõe à politização do assunto, informou no sábado (28) Ma Zhaoxu, vice-ministro das Relações Exteriores da China.

"Temos apoiado os esforços baseados na ciência para rastrear as origens e continuaremos nos engajando ativamente. Dito isto, nos opomos firmemente às tentativas de politizar esta questão", declarou Ma, citado no domingo (29) pela agência chinesa Xinhua, em referência ao relatório conjunto da China e OMS, publicado em março, que não encontrou evidências de que o SARS-CoV-2 tenha vazado de um laboratório chinês.

Ma exortou Washington a "voltar ao caminho certo de rastreamento de origens baseado na ciência e cooperação diante da pandemia", e negou que Pequim tenha encobrido o assunto.

"O ônus está nos EUA" em permitir uma investigação no Fort Detrick, uma instituição de pesquisa biológica em Maryland, EUA, na qual foram relatadas fugas de patógenos em 2019, e mais de 200 "bases ultramar para experiências biológicas", para descobrir as origens da pandemia, acrescentou o alto responsável.

Ele também mencionou que mais de 300 partidos políticos, organizações sociais e think tanks de mais de 100 países assinaram uma carta conjunta à OMS para parar a politização das origens da COVID-19, e que mais de 25 milhões de cidadãos chineses assinaram uma carta aberta solicitando uma investigação no Fort Detrick.

Na sexta-feira (27) Joe Biden, presidente dos EUA, acusou a China de esconder informações críticas em relação às origens da COVID-19. No mesmo dia, a inteligência dos EUA forneceu ao presidente norte-americano um relatório sobre as origens da COVID-19. No entanto, os autores da pesquisa não conseguiram concluir se o vírus foi transmitido de um animal para um humano durante um processo natural, ou se teve origem em um laboratório na China.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала