Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

CPI da Covid: comissão aprova quebra de sigilo de advogado de Bolsonaro e de Ricardo Barros

© Foto / Agência Senado / Pedro FrançaRicardo Barros durante depoimento na CPI da Covic, 12 de agosto de 2021
Ricardo Barros durante depoimento na CPI da Covic, 12 de agosto de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 19.08.2021
Nos siga no
Mais de 180 requerimentos foram aprovados no início da sessão desta quinta-feira (19). No caso específico do deputado e do advogado, as investigações giram em torno da compra da vacina Covaxin.

No início da sessão da CPI da Covid nesta quinta-feira (19), os membros da comissão aprovaram 187 requerimentos, entre eles, acesso aos dados fiscais do deputado federal Ricardo Barros (PP-PR) e do advogado do presidente Jair Bolsonaro, Frederick Wassef, de acordo com a CNN Brasil.

A quebra de sigilo de Wassef foi solicitada pelo relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL). Segundo Calheiros, há indícios para apurar se o advogado recebeu recursos da Precisa Medicamentos na assinatura do contrato para compra da vacina Covaxin.

Ricardo Barros também teve pedido de quebra de sigilo referente às negociações do imunizante indiano. Após polêmico depoimento na CPI que levou à suspenção da sessão no dia 12 de agosto, o deputado vem atacando a Comissão Parlamentar de Inquérito.

Ontem (18), o líder do governo na Câmara disse que a comissão "extrapola, exagera e mente".

"A CPI não encontrará nenhuma ligação minha com a Precisa, todas as pessoas ouvidas no caso Covaxin negaram minha participação. A comissão extrapola, exagera e mente, mas agora a condução da relação com a CPI é com meus advogados", disse o deputado citado pela mídia.

No total, a CPI solicitou 96 de pedidos de informação, 83 de quebras de sigilos, seis de convocação, um convite à CPI e um pedido de auditoria ao Tribunal de Contas da União (TCU), segundo a mídia.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала