Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Paládio: como metal mais precioso que ouro pode entrar em declínio?

© Sputnik / Pavel LisitsynMetal paládio comercializado no mercado de commodities (foto referencial)
Metal paládio comercializado no mercado de commodities (foto referencial) - Sputnik Brasil, 1920, 15.08.2021
Nos siga no
O crescimento do paládio, que triplicou de valor desde meados de 2018, parece estar chegando a seu fim, uma vez que a demanda das montadoras de automóveis se tem direcionado para a platina.

Uma das principais razões seria o aumento dos preços e o desenvolvimento tecnológico dentro da indústria automotiva. Para além da platina ser mais barata que o paládio, também a expansão da demanda por automóveis elétricos, que não utilizam gasolina, poderia determinar a paragem final do crescimento do paládio.

Cerca de 85% da oferta mundial de paládio é utilizada em conversores catalíticos para automóveis, fazendo com que nos últimos anos tenha ultrapassado metais como a platina e o ouro em termos de preço. Em agosto de 2018, o preço de transação atingiu os US$ 834 (cerca de R$ 4,4 mil) por onça, subindo para mais de US$ 3 mil (aproximadamente R$ 15,7 mil) até maio de 2021, iniciando depois sua queda para cerca de US$ 2.630 (cerca de R$ 14 mil), segundo a agência Bloomberg.

© AP Photo / Sebastian GollnowMotor de carro elétrico em fábrica na Alemanha. O paládio é usado na produção de carros que emitem menos gases causadores do efeito estufa
Paládio: como metal mais precioso que ouro pode entrar em declínio? - Sputnik Brasil, 1920, 15.08.2021
Motor de carro elétrico em fábrica na Alemanha. O paládio é usado na produção de carros que emitem menos gases causadores do efeito estufa
Agora a platina está começando a substituir o paládio, impulsionada pela tecnologia trimetálica de catalisadores desenvolvida pela companhia alemã BASF SE, e começará a ser introduzida em veículos menores a partir de 2022 e 2023.

Porém, ainda existem muitos analistas que acreditam que o paládio ainda tem margem de manobra antes de entrar em um declínio no longo prazo, tendo seu provável início no final desta década, considerando que a indústria de transportes começa a se afastar cada vez mais dos combustíveis fósseis.

De acordo com a Bloomberg, os veículos eléctricos representarão um terço das vendas mundiais de automóveis até 2030, contra sua escassa porcentagem de 4,3% em 2020.
Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала