Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Calheiros diz que Bolsonaro sofre de 'falta de memória' e pede prorrogação dos trabalhos da CPI

© Foto / Agência Senado / Edilson RodriguesSenador Renan Caalheiros na CPI da Covid, Brasília, 25 de junho de 2021
Senador Renan Caalheiros na CPI da Covid, Brasília, 25 de junho de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 29.06.2021
Nos siga no
Após declaração do presidente de que "não tem como saber tudo o que acontece nos ministérios", relator da CPI ironiza fala de Bolsonaro. Para Calheiros, as investigações precisam de mais tempo diante do escândalo da compra da Covaxin.

Na segunda-feira (28), após declaração do presidente, Jair Bolsonaro, dizendo que "não tem como saber tudo que acontece nos ministérios", o relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), debochou da fala do presidente dizendo que ele "sofre de falta de memória muito grande", segundo o UOL.

"O presidente da República está com uma falta de memória muito grande, porque hoje ele falou que não sabia nada do que acontecia nos ministérios e não fez referência à conversa com o deputado Luis Claudio Miranda [DEM-DF] e com seu irmão, Luis Ricardo, no dia 20 de março. Seria o caso de mostrar para ele esse calendário", disse o relator.

Calheiros ainda complementou que o presidente deveria "dizer alguma coisa convincente" ao invés de se calar sobre a conversa que teve com os irmãos Miranda, segundo a mídia.

Em meio ao escândalo da compra de vacinas supostamente superfaturadas Covaxin, Bolsonaro disse ontem (28), que não tem como saber tudo que acontece e que "apenas confia nos ministros e vai", conforme noticiado.

"Eu recebo todo mundo. Ele que apresentou, eu nem sabia da questão, de como estava a Covaxin, porque são 22 ministérios. Só o ministério do Rogério Marinho [Desenvolvimento Regional], tem mais de 20 mil obras. Então, eu não tenho como saber o que acontece nos ministérios. Vou na confiança em cima de ministros e nada fizemos de errado", declarou Bolsonaro.

Quando diz "ele que apresentou", o presidente se referia ao deputado federal Luis Claudio Miranda (DEM-DF), que disse em depoimento à CPI da Covid que alertou pessoalmente Bolsonaro sobre irregularidades na compra do imunizante indiano.

Prorrogação da CPI

Na mesma declaração, Calheiros pediu a prorrogação dos trabalhos da CPI em 90 dias, dizendo que as investigações estão sofrendo "obstruções grandes" e que, ao que tudo indica, um caso de corrupção em torno da compra das vacinas está se desenhando, o que necessitaria mais tempo para apurações.

"[Este momento] trata da investigação do desvio de dinheiro público, com o aparecimento de escândalos e esquemas que parecem grandiosos desde já. Nós temos problemas com a Covaxin, temos problemas com a [vacina] CanSino e vamos ter outros problemas, porque muitas pessoas estão querendo falar à CPI", disse o senador.

Na sexta-feira (25), o relator e alguns outros membros da CPI acusaram o Ministério da Saúde e o ministro, Marcelo Queiroga, de dificultarem o acesso a informações para realização de investigações mais rápidas e profundas sobre compra de vacinas contra a COVID-19.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала