Argentina e México convocam embaixadores na Nicarágua após prisões de opositores de Ortega

© AFP 2022 / Cesar Perez/Presidência da NicaráguaPresidente da Nicarágua, Daniel Ortega, durante o 41º aniversário da Revolução Sandinista em Manágua, Nicarágua. Foto de arquivo
Presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, durante o 41º aniversário da Revolução Sandinista em Manágua, Nicarágua. Foto de arquivo - Sputnik Brasil, 1920, 21.06.2021
Nos siga noTelegram
Em um comunicado conjunto, México e Argentina afirmam que vão consultar seus embaixadores "sobre as preocupantes ações político-jurídicas levadas a cabo pelo governo da Nicarágua".

Os governos da Argentina e do México convocaram seus embaixadores na Nicarágua para se consultarem sobre a situação política no país latino-americano após as recentes detenções de vários opositores do presidente Daniel Ortega, informa agência Reuters nesta segunda-feira (21).

Nas últimas semanas, a polícia da Nicarágua prendeu 17 personalidades críticas do presidente, incluindo pelo menos cinco candidatos presidenciais e até alguns ex-colegas de Ortega na guerrilha sandinista. As eleições presidenciais no país ocorrem em 7 de novembro.

O caso mais recente de oposicionista preso foi do pré-candidato à presidência Miguel Mora, investigado por "crimes contra a soberania", no domingo (20). O empresário e jornalista Mora foi detido em casa por "incitar a interferência estrangeiras em temas internos e pedir intervenções militares".

© AFP 2022 / Inti OconHomem segura bandeira da Nicarágua
Argentina e México convocam embaixadores na Nicarágua após prisões de opositores de Ortega - Sputnik Brasil, 1920, 21.06.2021
Homem segura bandeira da Nicarágua

Consultar embaixadores

Em um comunicado conjunto, México e Argentina afirmam que instruíram os embaixadores, Gustavo Alonso Cabrera e Mateo Daniel Capitanich, respectivamente, a viajar a seus países para "consultar sobre as preocupantes ações político-jurídicas levadas a cabo pelo governo da Nicarágua nos últimos dias".

Segundo a nota, essas medidas "colocam em risco a integridade e a liberdade de várias figuras da oposição (incluindo candidatos presidenciais), ativistas e empresários nicaraguenses".

Os governos argentino e mexicano expressaram "preocupação", mas recusaram seguir uma resolução aprovada em 15 de junho por 26 países da Organização dos Estados Americanos (OEA) que condena a perseguição de opositores pelo governo de Ortega, com o argumento de "não interferência nos assuntos internos".

No comunicado, os dois governos prometeram que permanecerão atentos à evolução dos acontecimentos e que continuarão a "promover de forma inequívoca o pleno respeito e promoção dos direitos humanos, das liberdades civis e políticas e da expressão de todas as pessoas, independentemente da sua nacionalidade e/ou profissão", sustentaram.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала