Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Caso Ryanair: Rússia ajudará Belarus se União Europeia impuser sanções contra Minsk, diz MRE russo

© Sputnik / Sergei Guneyev / Abrir o banco de imagensPresidente russo Vladimir Putin e o presidente bielorrusso Aleksandr Lukashenko durante a reunião do Supremo Conselho de Estado da União da Rússia e Bielorrússia, Minsk, Bielorrússia (foto do arquivo)
Presidente russo Vladimir Putin e o presidente bielorrusso Aleksandr Lukashenko durante a reunião do Supremo Conselho de Estado da União da Rússia e Bielorrússia, Minsk, Bielorrússia (foto do arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 31.05.2021
Nos siga no
A Rússia afirmou que ajudará Belarus caso o bloco europeu impuser sanções contra Minsk, apelando à realização de uma investigação do incidente com o voo da Ryanair.

Moscou defenderá e ajudará Belarus se a União Europeia (UE) impuser sanções econômicas contra Minsk, disse à Sputnik o diretor do Departamento de Cooperação Econômica do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Dmitry Birichevsky.

"Penso que defenderemos nosso parceiro Belarus, ajudaremos nossos aliados. Aquilo que o Ocidente inventa contra Belarus provoca emoções completamente negativas. Porque antes de tudo é preciso realizar uma investigação do que se passou e só depois pensar como reagir, e não fazer declarações apressadas", disse Birichevsky.

O funcionário da chancelaria russa destacou que a abordagem do assunto por Moscou "consiste em não tomar medidas impulsivas”.

"Não podemos reagir às medidas que foram impostas contra outro país, precisamos de discutir isso com os parceiros e ver o que podemos fazer", afirmou Birichevsky quando perguntado sobre medidas recíprocas caso as sanções europeias contra Minsk afetem o trânsito do gás russo.

Em 23 de maio, um voo da Ryanair viajando de Atenas, capital da Grécia, para Vilnius, capital da Lituânia, fez um pouso de emergência devido a uma ameaça de bomba, que mais tarde se revelou falsa. O Ministério do Interior de Belarus confirmou que a bordo estava Roman Protasevich, que fundou um canal do Telegram designado como extremista por Minsk.

Após reunião em 24 de maio, os líderes da UE tomaram a decisão de fechar seu espaço aéreo para os aviões belarussos e também recomendaram às companhias aéreas europeias para evitarem voos sobre o território de Belarus. O bloco apelou à imposição de sanções contra o país o mais rápido possível.

Um dos casos mais conhecidos de pousos forçados ocorreu em 2013, quando o voo do então presidente boliviano Evo Morales foi obrigado a aterrissar em Viena. Segundo os rumores, a bordo junto com o presidente estava o ex-agente da Agência Central de Inteligência dos EUA, Edward Snowden, acusado pelos Estados Unidos de divulgar segredos de Estado.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала