Quem ameaçou explodir avião da Ryanair sobre Vilnius exigia que UE deixasse de apoiar Israel

© AFP 2022 / ONLINER.BYAvião da companhia aérea Ryanair no aeroporto de Minsk
Avião da companhia aérea Ryanair no aeroporto de Minsk  - Sputnik Brasil, 1920, 24.05.2021
Nos siga noTelegram
Departamento do Ministério dos Transportes de Belarus afirmou que aqueles que ameaçaram explodir a aeronave da Ryanair exigiam da União Europeia em uma carta que o bloco europeu parasse de apoiar as ações de Israel.

A transcrição das comunicações entre o controlador aéreo e a tripulação demonstra que não houve pressão por parte de Minsk sobre a decisão de aterrissar o avião, informa o Ministério dos Transportes do país.

"Em 23 de maio, no correio eletrônico do Aeroporto Nacional de Minsk foi recebida uma mensagem em inglês do endereço ProtonMail.com: 'Nós, soldados do Hamas, exigimos que Israel cesse o fogo na Faixa de Gaza. Exigimos que a UE pare de apoiar Israel nesta guerra. Sabe-se que membros do Fórum Econômico de Delphi estão voltando para casa no voo FR4978. Há uma bomba nesse avião. Se nossas exigências não forem cumpridas, a bomba vai explodir sobre a cidade de Vilnius em 23 de maio'", disse Artyom Sikorsky, chefe do Departamento de Aviação do Ministério dos Transportes.

O departamento bielorrusso negou as informações sobre alegadas ameaças da Força Aérea do país de usar mísseis ar-ar para obrigar a aeronave comercial a pousar.

As autoridades do país esperam que o "bom senso prevalecerá" na União Europeia (UE) e que não haja proibição de voos de companhias aéreas europeias através de Belarus.

Minsk tem registrado casos isolados em que companhias aéreas recusam atravessar o espaço aéreo do país, ressalta o departamento.

Neste domingo, 23 de maio, um avião comercial da companhia Ryanair que realizava um voo de Atenas para Vilnius realizou uma aterrissagem de emergência em Minsk devido a informações sobre uma bomba a bordo. Ativistas dos direitos humanos bielorrussos informaram que no referido avião viajava Roman Protasevich, fundador do canal Nexta no Telegram, considerado por Belarus como extremista. Posteriormente Protasevich foi detido.

A Lituânia, integrante da UE, pediu que o bloco e a OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) respondessem. A ação foi classificada como "inaceitável", pela líder da Comissão Europeia, Ursula van der Leyen.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала