Pequim adverte Dinamarca que suas atividades 'anti-China' estão 'fadadas ao fracasso'

CC0 / Pixabay / Copenhague, capital de Dinamarca
Copenhague, capital de Dinamarca - Sputnik Brasil, 1920, 11.05.2021
Nos siga noTelegram
O ministro das Relações Exteriores da Dinamarca defendeu os valores democráticos de Taiwan, junto com a presidente taiwanês, Tsai Ing-wen, na segunda-feira (10), lançando fortes críticas contra a China.

Jeppe Kofod, chanceler dinamarquês, afirmou estar preparando uma nova política externa e estratégia de segurança "com base em valores", denunciando como "deploráveis" as recentes sanções impostas pela China contra a União Europeia (UE), reporta a agência Reuters.

"Precisamos permanecer mais firmes, responder mais rápido e com mais força quando valores universais, como os direitos humanos e a liberdade de expressão, estão sob pressão", declarou Kofod na Cúpula para a Democracia em Copenhagen (CDS, na sigla em inglês), citado pela mídia.

Contrariamente às principais potências ocidentais, as relações entre a China e a Dinamarca eram relativamente boas nos últimos anos. No entanto, recentemente, o governo dinamarquês foi duramente criticado pelo seu Parlamento, que o acusou de ser bastante passivo ante a interferência do gigante asiático em Hong Kong.

A Embaixada da China na Dinamarca criticou os acontecimentos de segunda-feira (10), mas advertiu que as atividades "anti-China conduzidas por forças estrangeiras e separatistas", que promovem a independência de Taiwan e Hong Kong, estão "fadadas ao fracasso", segundo referido pela Reuters.

É sabido que, além de Hong Kong, Pequim considera Taiwan como parte de seu território, e qualquer interferência vinda do exterior, nomeadamente dos EUA e seus aliados, é vista como grave desrespeito à soberania chinesa e seus assuntos internos.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала