Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Erdogan afirma que Turquia honra memória dos armênios massacrados em 1915

© REUTERS / Murat Cetinmuhurdar / PPORecep Tayyip Erdogan participa de uma parada militar em Baku, na República do Azerbaijão
Recep Tayyip Erdogan participa de uma parada militar em Baku, na República do Azerbaijão - Sputnik Brasil, 1920, 24.04.2021
Nos siga no
O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse neste sábado (24) que respeita a memória dos armênios assassinados pelo Império Otomano em 1915 e afirmou estar disposto a fortalecer as relações com o país vizinho.

"Não podemos nos esquecer da cultura de coexistência entre turcos e armênios, que prosperou durante séculos e serviu de modelo para a humanidade. Eu honro a memória da população armênia do Império Otomano que pereceu durante as circunstâncias difíceis da Primeira Guerra Mundial e estendo minhas condolências aos seus descendentes", assinalou o presidente turco em comunicado.

Além disso, Erdogan alegou que muitas tentativas foram feitas para usar os massacres de 1915 para pressionar o seu governo. O líder turco acrescentou que esses esforços não têm uso para nenhuma das duas nações e instou a Armênia a restaurar os laços com a Turquia.

"Após a solução da crise em Nagorno-Karabakh, dissemos que estávamos determinados a desenvolver nossos laços com a Armênia. Hoje [24], eu reafirmo essa determinação", disse Erdogan.
© PAN Photo / Abrir o banco de imagensMemorial do Genocídio Armênio em Erevan
Erdogan afirma que Turquia honra memória dos armênios massacrados em 1915 - Sputnik Brasil, 1920, 24.04.2021
Memorial do Genocídio Armênio em Erevan

O presidente dos EUA, Joe Biden, reconheceu neste sábado (24), como um ato de genocídio, a perseguição cometida pelos turco-otomanos contra a população armênia no início do século XX, que resultou no assassinato de aproximadamente 1,5 milhão de armênios. Ancara, por sua vez, protestou e pediu que Biden revertesse essa designação. A data de hoje (24) marca o 106º aniversário do genocídio armênio. 

Pouco depois de Biden emitir seu comunicado, o chanceler turco Mevlut Cavusoglu publicou uma declaração nas redes sociais classificando o ocorrido como "oportunismo político". 

"O oportunismo político é a maior traição para a paz e a justiça. Nós rejeitamos completamente esse comunicado baseado somente em populismo", escreveu Cavusoglu no Twitter.
© AP PhotoOs presidentes de Azerbaijão, Ilham Aliev (à esquerda), e Turquia, Recep Tayyip Erdogan (à direita)
Erdogan afirma que Turquia honra memória dos armênios massacrados em 1915 - Sputnik Brasil, 1920, 24.04.2021
Os presidentes de Azerbaijão, Ilham Aliev (à esquerda), e Turquia, Recep Tayyip Erdogan (à direita)

Azerbaijão classifica atitude de Biden de 'inoportuna'

O Ministério das Relações Exteriores do Azerbaijão também se pronunciou neste sábado (24) em resposta ao reconhecimento de Biden do genocídio armênio, classificando a atitude do presidente norte-americano de inoportuna.

"É inoportuno que o comunicado do presidente dos EUA, Joe Biden, no Dia da Memória dos Armênios, distorça os fatos históricos sobre os eventos de 1915. Aqueles que politizam o chamado 'genocídio armênio' silenciam a respeito do massacre de mais de 500 mil pessoas cometido pelos grupos armados armênios na época, assim como os massacres cometidos pelos Dashnaks armênios [Federação Revolucionária Armênia, um partido político de orientação socialista] em Baku e em outras regiões do Azerbaijão em março de 1918", afirmou o ministério azeri em nota.

Além disso, o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliev, manteve hoje (24) uma conversa por telefone com Erdogan para discutir a designação feita por Biden e uma eventual resposta conjunta dos dois países. Pouco depois, o presidente azeri afirmou em uma nota que a designação de Biden é um "erro histórico" e "inaceitável". 

Turcos e azeris são muito próximos etnicamente e ambos eram parte do antigo Império Otomano. Após a dissolução da União Soviética e a restauração da independência do Azerbaijão no início da década de 1990, a Turquia foi o primeiro país a reconhecer a soberania azeri, e mantém relações muito próximas, tanto no âmbito econômico como militar, que foram classificadas pelo ex-presidente azeri Heidar Aliev como as relações de "uma nação com dois Estados". 

© Sputnik / Mikhail Klementyev / Abrir o banco de imagensA reunião trilateral entre o presidente da Rússia, Vladimir Putin, o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliev, e o primeiro-ministro da Armênia, Nikol Pashinyan
Erdogan afirma que Turquia honra memória dos armênios massacrados em 1915 - Sputnik Brasil, 1920, 24.04.2021
A reunião trilateral entre o presidente da Rússia, Vladimir Putin, o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliev, e o primeiro-ministro da Armênia, Nikol Pashinyan

Recentemente, no final de 2020, a Turquia apoiou o Azerbaijão no conflito em Nagorno-Karabakh, uma região montanhosa habitada majoritariamente por armênios étnicos, próxima da fronteira entre Armênia e Azerbaijão, cujos enfrentamentos estavam congelados desde 1994. O conflito terminou com um acordo mediado pela Rússia, em novembro de 2020, no qual os azeris conseguiram recuperar boa parte do território que os armênios haviam conquistado na década 1990. 

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала