Encontradas provas de queda de grande meteorito na Antártica há 430 mil anos (FOTO)

© Sputnik / Aleksei KudenkoCabo de Maskar, na ilha Adelaide, Antártica, 22 de fevereiro de 2020
Cabo de Maskar, na ilha Adelaide, Antártica, 22 de fevereiro de 2020 - Sputnik Brasil, 1920, 01.04.2021
Nos siga noTelegram
Partículas fundidas de matéria extraterrestre encontradas na Antártica Oriental revelam que há cerca de 430 mil anos um grande meteorito ou asteroide caiu no local. O meteorito não formou cratera porque o corpo celeste virou um fluxo de matéria derretida quando ainda estava se aproximando da Terra.

Um grupo internacional de geólogos e planetologistas descobriu provas, na região de montanha de Sor Rondane, na Antártida Oriental, de que há 430 mil anos um asteroide ou grande meteorito de 100 a 150 metros de diâmetro caiu no local, segundo o estudo publicado na revista Science Advances.

Os cientistas encontraram minúsculas partículas, esferas de condensação de tamanho entre 100 e 300 microns que se formaram quando o meteorito explodiu perto da superfície da Terra, emitindo um fluxo de matéria derretida e evaporada.

Apesar de que as grandes explosões aéreas ocorrem mais frequentemente do que os impactos de meteoritos que formam crateras, e alguns desses eventos tenham sido bastante poderosos, é muito difícil encontrá-los no registo geológico, uma vez que tudo o que resta deles são pequeníssimas partículas derretidas de matéria extraterrestre.

O estudo mostrou que a composição das pequenas esferas coletadas pelos pesquisadores pertence aos condritos (meteoritos rochosos). A proporção de microelementos e o nível alto de níquel confirmam a origem extraterrestre da matéria. No entanto, as assinaturas únicas de isótopos de oxigénio indicam que as partículas interagiram com a camada de gelo da Antártica quando caíram.

© Foto / Mark A. GarlickRepresentação artística da queda de um meteorito na Antártica há 430 mil anos
Encontradas provas de queda de grande meteorito na Antártica há 430 mil anos (FOTO) - Sputnik Brasil, 1920, 01.04.2021
Representação artística da queda de um meteorito na Antártica há 430 mil anos

Através de simulações numéricas, os cientistas provaram que a escala do evento foi maior do que a queda do meteorito de Tunguska, Sibéria, em 1908 ou do meteorito de Chelyabinsk em 2013.

"Tais eventos de impacto não ameaçam a atividade humana se acontecerem sobre a Antártica. Mas se ocorrerem em uma região densamente povoada, levarão a milhões de vítimas e danos sérios em um raio de até centenas de quilômetros", disse o líder do estudo, dr. Matthias Van Ginneken.

Os cientistas apelam a realizar uma revisão de eventos semelhantes na história geológica, com base nos dados obtidos, para entender melhor sua frequência e potencial ameaça.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала