Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Magma dos dias primordiais da Terra é descoberto em rochas da Groenlândia

© Foto / Hanika RizoÀ primeira vista, as rochas que compõem o Cinturão Isua supracrustal da Groenlândia se parecem com qualquer basalto moderno que se encontra no fundo do mar. Mas este recorte, que foi descrito pela primeira vez nos anos 1960, é a exposição mais antiga das rochas na Terra, conhecida por conter as primeiras evidências de vida microbiana e placas tectônicas
À primeira vista, as rochas que compõem o Cinturão Isua supracrustal da Groenlândia se parecem com qualquer basalto moderno que se encontra no fundo do mar. Mas este recorte, que foi descrito pela primeira vez nos anos 1960, é a exposição mais antiga das rochas na Terra, conhecida por conter as primeiras evidências de vida microbiana e placas tectônicas - Sputnik Brasil, 1920, 13.03.2021
Nos siga no
Uma equipe de pesquisadores analisou a composição de uma amostra de pó de basalto na Groenlândia e chegou à conclusão que ela vem de um dos períodos mais antigos de nosso planeta.

A Groenlândia tem indícios de magma oceânico de 3,7 bilhões de anos, relata o portal EurekAlert.

Como parte do estudo, publicado na revista Science Advances, cientistas da Universidade de Cambridge, Reino Unido, e da Universidade de Carleton, Canadá, examinaram o Cinturão Isua, no sudoeste da Groenlândia, tendo retirado uma amostra de pó de basalto e observado os níveis de isótopos de ferro e tungstênio.

O cinturão é uma faixa de crosta que permaneceu relativamente inalterada por 3,7 bilhões de anos, tornando suas rochas as mais antigas da Terra.

As assinaturas químicas refletem o nascimento do basalto a partir de uma mistura de componentes de diferentes partes do manto da Terra, em uma época em que a superfície de nosso planeta, derretida por magma, estava endurecendo.

A pesquisa mostrou que as rochas de Isua também preservam raras evidências que antecedem mesmo a tectônica de placas, ou seja, os resíduos de alguns dos cristais deixados para trás quando o magma oceânico esfriou.

"Foi uma combinação de algumas novas análises químicas que fizemos com dados publicados anteriormente que nos indicou que as rochas de Isua poderiam conter vestígios de material antigo. Os isótopos de háfnio e neodímio eram realmente tentadores, porque esses sistemas de isótopos são muito difíceis de modificar, então tivemos que olhar para a química deles com mais detalhe", disse Helen Williams, da Universidade de Cambridge, autora principal do estudo.

Embora os registros do passado distante da Terra desapareçam gradualmente, os cientistas estão aprendendo rapidamente como desvendar as pistas, de forma a descobrir a história da formação e evolução da Terra, refere Williams.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала