Alemanha quer compartilhar política de sanções com os EUA contra Rússia e China, diz ministro alemão

© AP Photo / Michael SohnMinistro das Relações Exteriores alemão Heiko Maas
Ministro das Relações Exteriores alemão Heiko Maas - Sputnik Brasil, 1920, 10.03.2021
Nos siga noTelegram
Berlim espera melhoria das relações com os Estados Unidos sob nova administração e pretende desenvolver sanções conjuntas contra a China e a Rússia, segundo Ministério das Relações Exteriores alemão.

Nesta terça-feira (9), em seu primeiro discurso sobre relações transatlânticas desde que Joe Biden assumiu como presidente dos EUA, o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, declarou que os parceiros devem agir juntos para defender interesses e valores comuns, incluindo possíveis sanções conjuntas contra a China e a Rússia devido a questões relacionadas aos direitos humanos, segundo a Reuters.

Os objetivos do governo alemão foram declarados em um evento on-line organizado pelo Intituto Brookings (EUA), no qual Maas disse aos norte-americanos que "a Alemanha está ao seu lado" e que uma reinicialização nas relações entre os dois países deve incluir uma luta comum pela democracia para se enfrentar ameaças antidemocráticas.

"Reagimos à repressão da sociedade civil por Moscou e Pequim e às violações do direito internacional por ambos os países", disse o ministro citado pela mídia.

No dia 2 de março, Berlim e seus parceiros da União Europeia (UE) impuseram sanções pessoais contra Rússia por violação dos direitos humanos devido à prisão do opositor do governo russo, Aleksei Navalny, que incluem proibição de viagens à UE e congelamento de ativos de pessoas físicas que estão na lista de pessoas sancionadas pelo bloco.

Quando Maas demonstrou otimismo em formar laços com a nova administração dos EUA ele deixou claro que o governo alemão lamentou a relação das duas nações durante o governo do ex-presidente, Donald Trump. O diálogo ficou intricado por intensa pressão sobre a Alemanha com gastos ligados à defesa (conforme estipulado pela aliança militar da OTAN), a insistência de Berlim em comprar gás natural russo e por políticas comerciais.

"Espero que possamos retornar a uma posição transatlântica comum sobre sanções direcionadas, algo que não foi possível nos últimos quatro anos", disse o ministro.

Apesar de não ter entrado no assunto, a Alemanha tem um segundo interesse em estreitar a comunicação com os EUA: o gasoduto Nord Stream 2 (Corrente do Norte 2, na tradução). A chanceler alemã, Angela Merkel, defendeu o quase concluído empreendimento para levar gás russo à Alemanha como um projeto comercial, e sendo assim, há interesse em participar na tomada de decisões de medidas restritivas comuns, para Berlim não ser afetada negativamente pelas sanções dos EUA, como no caso do gasoduto, segundo a mídia.

Nos últimos meses, o governo alemão tomou medidas para atender às preocupações de Washington, estendendo sua missão militar no Afeganistão e navegando em um navio de guerra pelo mar do Sul da China, onde os EUA afirmam que a liberdade de navegação está ameaçada pela China.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала