Índia anuncia expedição de montanhismo para conter 'descarada política expansionista da China'

© AFP 2022 / BIJU BOROSoldados indianos realizando partrulhamento na fronteira entre China e Índia (foto de arquivo)
Soldados indianos realizando partrulhamento na fronteira entre China e Índia (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 01.03.2021
Nos siga noTelegram
O Exército da Índia se propôs a marcar presença na fronteira com a China através de uma expedição de grande escala no Himalaia.

Esquiadores militares sairão em 3 de março do porto de Caracórum, na região de Ladakh, e percorrerão um trajeto de 1.500 quilômetros até o porto de Lipulekh, no estado indiano de Uttarakhand, segundo informa o The Times of India.

A expedição ARMEX-21 deverá durar entre 80 e 90 dias, e os soldados indianos deverão atravessar as cordilheiras, geleiras e terrenos montanhosos de Ladakh, Himachal, Garhwal e Kumaoin, que são as áreas mais próximas da Linha de Controle Real (LAC, na sigla em inglês), localizadas a uma altitude de cerca de 4.200 metros.

"A descarada política expansionista da China para se apoderar de territórios precisa ser efetivamente contida. Enquanto o Exército [indiano] reequilibra com forças e poder de fogo adicionais nas fronteiras do norte, é essencial mostrar e marcar nossa presença nas áreas 'não detidas' através de expedições de montanhismo e outras", explicou um oficial sênior indiano, após avaliar as reclamações territoriais da Índia com estudos e publicações pela imprensa nacional e internacional, citado pelo jornal.
© AP Photo / Manish SwarupCaminhões do Exército da Índia junto do lago Pangong Tso, perto da fronteira da Índia com a China, na área de Ladakh, Índia, 14 de setembro de 2017
Índia anuncia expedição de montanhismo para conter 'descarada política expansionista da China' - Sputnik Brasil, 1920, 01.03.2021
Caminhões do Exército da Índia junto do lago Pangong Tso, perto da fronteira da Índia com a China, na área de Ladakh, Índia, 14 de setembro de 2017

Na semana passada, comandante do Estado-Maior indiano, general Manoj Mukund Naravane, afirmou que a China tem o hábito de ocupar territórios sem disparos nem baixas, dando pequenos passos para não desencadear respostas. Essa mesma estratégia, segundo Naravane, pode também ser observada nas ações do gigante asiático no mar do Sul da China, só que isso não vai funcionar com a Índia, que deverá dar respostar aos menores movimentos.

Há várias décadas, China e Índia disputam parte do território montanhoso no norte da região da Caxemira. Nos conflitos entre os dois vizinhos, baixas foram registradas em 1962 e em 2020, perto da Linha de Controle Real.

Em fevereiro deste ano, após várias consultas diplomáticas e militares, ambos os países concordaram em retirar suas forças da zona do lago Pangong Tso, mas isso não significa que a disputa tenha terminado, ou que vá terminar em breve.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала