Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Pelo de ratinho africano fica vermelho sob luz ultravioleta e cientistas não sabem por quê (FOTO)

CC BY 4.0 / Erik R. Olson et al. / Northland College / Biofluorescence in East African springhare museum specimens (cropped image)Lebres-saltadoras fluorescentes da espécie Pedetes surdaster em luzes visível e ultravioleta
Lebres-saltadoras fluorescentes da espécie Pedetes surdaster em luzes visível e ultravioleta - Sputnik Brasil, 1920, 26.02.2021
Nos siga no
Pesquisadores descobriram que o pelo de pequenos mamíferos noturnos africanos erradia um brilho vermelho no escuro quando está sob o efeito de luz ultravioleta.

Trata-se de duas espécies de lebres-saltadoras: a Pedetes capensis, que habita as regiões do sul da África, e Pedetes surdaster, que vive no Quênia e na Tanzânia, na parte leste do continente africano, segundo um recente estudo publicado na revista Scientific Reports.

De acordo com os pesquisadores, a capacidade de brilhar com uma "biofluorescência vívida" deve-se ao pelo deste animal, que é capaz de absorver a luz ultravioleta e reemiti-la com uma cor visível rica em tonalidades rosa, vermelha e laranja.

CC BY 4.0 / Erik R. Olson et al. / Northland College / Biofluorescence in captive springhare (cropped image)Lebres-saltadoras fluorescentes da espécie Pedetes capensis em luzes visível e ultravioleta
Pelo de ratinho africano fica vermelho sob luz ultravioleta e cientistas não sabem por quê (FOTO) - Sputnik Brasil, 1920, 26.02.2021
Lebres-saltadoras fluorescentes da espécie Pedetes capensis em luzes visível e ultravioleta
Porém, até agora, a razão da fluorescência permanece desconhecida. Alguns pesquisadores assinalam que esta característica poderia ajudar os animais solitários a reconhecer os outros na época de acasalamento. Outros sugerem que a sua função poderia ser evitar ser visto por predadores com visão ultravioleta através da absorção dos comprimentos da onda que de outra forma emitiriam um reflexo brilhante.

"No entanto, existe a possibilidade de que este traço não tenha nenhuma importância ecológica", disse ao portal IFL Science Erik R. Olson, autor principal do estudo e professor de Recursos Naturais do Colégio do Nordeste, uma universidade dos EUA.

"É uma mera especulação, e, mesmo não havendo estudos comportamentais e avaliadores da sensibilidade espectral de lebres-saltadoras e predadores, será difícil confirmá-la", acrescentou.

Apesar do nome, lebres-saltadoras não têm qualquer relação com as lebres e podem ser os primeiros mamíferos biofluorescentes nativos da África conhecidos até agora.

A ciência já tem conhecimento de vários outros animais que brilham sob a luz ultravioleta, tais como esquilos-voadores (que irradiam um rosa intenso), gambás (verde) e vombates (azul e outras cores).

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала