Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Ministério contradiz Pazuello, volta atrás e recomenda reserva de 2ª dose da CoronaVac

© REUTERS / Bruno KellyProfissional de saúde aplica vacina CoronaVac em indígena da etnia Mura na terra indígena Rio Urubu, no Amazonas
Profissional de saúde aplica vacina CoronaVac em indígena da etnia Mura na terra indígena Rio Urubu, no Amazonas - Sputnik Brasil, 1920, 24.02.2021
Nos siga no
Ministério da Saúde recomendou em informe técnico, enviado na terça-feira (23), para que estados e municípios reservem metade de novo lote da CoronaVac para fazer aplicação da segunda dose. 

A orientação contradiz orientação do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Na última sexta-feira (19), ele disse a prefeitos que o carregamento de vacinas deveria ser usado inteiro na aplicação da primeira dose, sem reserva para segunda.

O documento informa que o lote contém dois milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca, importadas da Índia, e 1,2 milhão da CoronaVac, entregues pelo Instituto Butantan. 

Segundo Pazuello, a mudança de estratégia era possível pois haveria garantia de que novas doses seriam produzidas. No informe técnico, o Ministério da Saúde diz exatamente o oposto ao colocado por Pazuello. A pasta afirma, segundo o portal UOL, que "ainda não há um fluxo de produção regular" da CoronaVac. 

No caso da vacina de Oxford, como o tempo entre a primeira aplicação e a segunda é de três meses, a orientação, desde o início da campanha de imunização, é de não reservar doses, ao contrário da CoronaVac, que exige de duas a quatro semanas entre as duas aplicações.

De acordo com o ministério, é recomendado que a segunda dose da vacina "seja reservada para garantir que o esquema vacinal seja completado dentro desse período, evitando prejuízo nas ações de vacinação". 

'Idas e vindas de informações'

O ritmo lento da vacinação no Brasil é alvo de críticas da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), que cobra agilidade no processo e culpa o governo pela falta de vacinas. 

"Infelizmente essas idas e vindas de informações prejudicam o planejamento das pessoas e dos gestores lá na ponta. O ministro nos garantiu, na sexta ([19], que poderíamos utilizar plenamente os novos lotes integralmente como primeira dose. E agora, retorna à posição original de reservar metade dos lotes para a segunda dose com uma orientação oficial", disse o presidente da Frente Nacional de Prefeitos, Jonas Donizette (PSB). 
Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала