Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Ex-líder das Farc admite plano para matar ex-presidente colombiano Juan Manuel Santos

© REUTERS / Fernando VergaraEx-presidente da Colômbia Juan Manuel Santos
Ex-presidente da Colômbia Juan Manuel Santos - Sputnik Brasil, 1920, 10.02.2021
Nos siga no
Ex-líder das Farc admitiu nesta quarta-feira (10) que o comando do movimento chegou a planejar um atentado contra o ex-presidente da Colômbia Juan Manuel Santos. 

Rodrigo Londoño, conhecido como Timochenko, fez a declaração em audiência virtual na Jurisdição Especial de Paz, que julga os fatos relacionados ao assassinato, em 1995, do político e ex-candidato presidencial Álvaro Gómez Hurtado. 

Com o acordo de paz assinado entre governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, o grupo abandonou as armas e alguns de seus integrantes criaram o partido Comunes, que tem como líder Timochenko. 

"Como signatários do acordo de paz, seria incongruente guardar silêncio diante desses fatos. Apesar do altíssimo custo político e das sanções que podem ser aplicadas, decidimos assumir nossa responsabilidade e demonstrar com contundência nossa vontade de paz", afirmou o ex-integrante das Farc no início da audiência. 

Conversas de paz 

Em 2020, o grupo admitiu que teve participação na morte de Hurtado. Durante o julgamento, Timochenko revelou que as Farc planejaram um atentado contra Juan Manuel Santos, que governou o país entre 2010 e 2018. 

De acordo com o líder do Comunes, discussões para cometer o ato foram feitas mesmo após o início dos diálogos de paz entre as Farc e o governo. 

Timochenko deu a resposta após ser perguntado por uma juíza se no comando das Farc se discutia o assassinato de pessoas que o grupo considerava inimigas. 

"A única vez que me lembro que argumentamos contra agir contra alguém é quando, na liderança de Alfonso Cano [líder máximo das FARC antes de Timochenko, morto em 2011], ele nos informa que um comando está pronto para atentar contra a vida do então presidente Juan Manuel Santos", disse Rodrigo Londoño. 

Em seguida, ele disse que o atentado foi descartado porque "não era ético" agir contra uma pessoa com quem se estava iniciando um processo de paz. 

Dúvidas sobre crime

Além de Timochenko, outros ex-guerrilheiros e a ex-congressista Piedad Córdoba foram convocados para prestar esclarecimentos sobre a morte de Álvaro Gómez Hurtado. 

Embora as Farc tenham reconhecido ter executado o atentado contra o político, alguns setores da sociedade colombiana e até mesmo familiares da vítima têm dúvidas sobre o crime. 

A família do político diz que o assassinato pode ter sido encomendado por Ernesto Samper, ex-presidente colombiano e ex-presidente da Unasul. Segunda essa versão, ele teria ordenado o crime devido às denúncias que Hurtado fazia sobre supostos vínculos do governo Samper com o Cartel de Calí.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала