Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Forma de escolha do 5G é mais decisiva do que a empresa que será selecionada, afirma especialista

© Folhapress / Bruno Rocha/Agência EnquadrarEdifício sede da Anatel é visto ao lado de antenas de transmissão de telefonia na zona sul de São Paulo.
Edifício sede da Anatel é visto ao lado de antenas de transmissão de telefonia na zona sul de São Paulo. - Sputnik Brasil, 1920, 06.02.2021
Nos siga no
Uma comitiva do governo federal, liderada pelo ministro das Comunicações, Fábio Faria, iniciou na terça-feira (2) uma viagem a cinco países da Europa e Ásia para tratar da implementação, no Brasil, da tecnologia 5G, a quinta geração de comunicação móvel.

Faria explicou que estão marcados encontros com dirigentes de empresas de telecomunicações e reuniões governamentais na Suécia, Finlândia, Coreia do Sul, no Japão e na China. O objetivo é conhecer modelos internacionais para aprimorar o desenvolvimento dessa tecnologia no Brasil.

O engenheiro de Telecomunicações Carlos Alberto Malcher, professor da Faculdade de Engenharia da UFF (Universidade Federal Fluminense), elogiou a iniciativa da comitiva do governo federal de conhecer as empresas de telecomunicações, mas disse que a chave da escolha está na forma como a tecnologia será implementada.

"Todas essas empresas já têm uma grande presença no Brasil. [...] Todas elas têm capacidade de prover essa tecnologia. Acredito que a resposta se dê muito mais na forma como isso vai ser feito do que na empresa em si. Qualquer uma dessas poderia atender ao mercado brasileiro", afirmou à Sputnik Brasil.

A previsão é que o leilão das faixas de radiofrequência destinadas à conexão do 5G aconteça ainda no primeiro semestre deste ano. O certame será realizado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

​Malcher comentou que as redes 5G permitem uma maior velocidade de conexão, mas que poucas pessoas e órgãos vão se beneficiar da implementação desse tipo de tecnologia em um primeiro momento.

"A rede 5G oferece, como todo mundo está falando, uma capacidade de transmissão muito maior e uma latência muito menor. Onde a capacidade de transmissão é o que a gente chama de banda passante, e a latência é o tempo que leva para você conseguir fazer acesso à rede, transmitir seus dados e os dados chegarem ao outro lado", explicou.

'Não basta apenas aderir a uma rede privativa'

Uma portaria publicada no fim de janeiro pelo governo Bolsonaro passou a exigir da empresa vencedora do leilão a criação de uma rede privativa para o governo federal, formada por uma rede móvel no Distrito Federal, e uma infraestrutura de fibra óptica para prédios públicos fora de Brasília.

Carlos Alberto Malcher entende que a preocupação do governo tem a ver com quem terá acesso às informações trocadas pela rede oferecida, bem como a garantia de que a rede vai funcionar ininterruptamente.

"Usar uma rede para o Judiciário, para fazer videoconferências, transmitir processos, é uma coisa. Usar uma rede para transmitir informações de defesa, ou para acionar mecanismos de forças de defesa em outro local do país é outra. Não é simplesmente achar que vão fazer uma rede privativa baseada em operadoras de telefonia e que isso vai resolver todos os problemas do país, não vai", afirmou.
© Folhapress / Mateus BonomiMinistro das Comunicações Fábio Faria
Forma de escolha do 5G é mais decisiva do que a empresa que será selecionada, afirma especialista - Sputnik Brasil, 1920, 06.02.2021
Ministro das Comunicações Fábio Faria

O especialista lembra que, mesmo que a escolha seja feita com base na segurança, não existem garantias de que a privacidade sempre será respeitada.

"Lembre-se que lá no governo Obama nós tivemos um caso em que comunicações da Alemanha e do Brasil foram monitoradas pelos Estados Unidos. Não é uma característica do chinês, do japonês ou do americano, não é particularidade de nenhum desses países monitorar as comunicações dos outros. Isso pode acontecer com qualquer país", completou.

Em 2013, o ex-técnico da CIA Edward Snowden revelou que milhões de e-mails e ligações de brasileiros e estrangeiros em trânsito no país foram monitorados. Ainda segundo os documentos, uma estação de espionagem funcionou em Brasília pelo menos até 2002.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала