Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Brasil no fim da 'fila' por vacinas: quais foram os erros do governo brasileiro?

© Folhapress / Edu AndradeEm Brasília, o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro (à esquerda), e o agora ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello (à direita), participam de cerimônia no salão nobre do Palácio do Planalto, em 14 de outubro de 2020
Em Brasília, o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro (à esquerda), e o agora ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello (à direita), participam de cerimônia no salão nobre do Palácio do Planalto, em 14 de outubro de 2020 - Sputnik Brasil, 1920, 04.02.2021
Nos siga no
Houve falha do governo federal brasileiro na negociação com a COVAX, que anunciou apenas 10,6 milhões de doses para o país? Era possível garantir mais vacinas à população? Para entender essas questões, a Sputnik Brasil conversou com especialistas no assunto.

O novo cronograma da COVAX Facility para a distribuição mundial de vacinas, divulgado na quarta-feira (3), prevê que o Brasil receba apenas 10,6 milhões de doses do imunizante da Oxford/AstraZeneca. A quantidade é menor que a de cinco países emergentes: Bangladesh (12,79 milhões), Indonésia (13,71 milhões), Nigéria (16 milhões), Paquistão (17,16 milhões) e Índia (97,16 milhões).

O acordo do Brasil com o consórcio internacional é de 42,5 milhões de doses até o fim de 2021. Porém, por enquanto, menos de um quarto desse total está reservado ao país: são exatamente 10.672.800.

Quando aderiu à aliança, em setembro de 2020, o Brasil optou por contratar uma quantidade de vacinas que beneficiaria somente 10% da população, proporção mínima exigida pela inciativa.

A população brasileira é de mais de 212 milhões de habitantes, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mas vale lembrar que a vacina da Oxford requer a aplicação de duas doses por pessoa para garantir a imunização.

Para o professor Flávio da Fonseca, do departamento de Microbiologia do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o governo brasileiro deu pouca importância para a iniciativa promovida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e, por isso, o país ficou com uma cota menor.

"O que acontece é que o Brasil incialmente não se juntou à iniciativa COVAX. Ele acabou sendo pressionado e se juntou tardiamente, exatamente porque o governo brasileiro não deu importância para essa iniciativa, optando pelo mínimo possível de solicitações de vacina e quase desdenhando da iniciativa", afirmou o professor, que é integrante do Comitê Permanente de Enfrentamento ao Novo Coronavírus, da UFMG.
© AP Photo / Gareth FullerDoses da vacina contra a COVID-19, desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca
Brasil no fim da 'fila' por vacinas: quais foram os erros do governo brasileiro? - Sputnik Brasil, 1920, 04.02.2021
Doses da vacina contra a COVID-19, desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca

Presidente da Sociedade Brasileira de Virologia (SBV), Fonseca avalia que não houve um erro de cálculo, e sim que o governo "deliberadamente" não considerou valorizar a inciativa. O pesquisador diz que o Brasil deveria ter solicitado um número de doses mais condizente com a realidade nacional para garantir a queda da curva de contágio da COVID-19.

"Estamos hoje com um número que é um fiasco. Precisamos de um quantitativo muito maior para atingir a tão sonhada imunidade coletiva", criticou o professor.

Para atingir a imunidade coletiva, a OMS já informou que um país precisa ter de 60% a 70% da população vacinada.

"Um equívoco total. O governo brasileiro foi extremamente incompetente na questão das negociações vacinais, desdenhando da vacina, da doença e dos países fabricantes. Os outros países da iniciativa estão com mais doses porque solicitaram mais. Então, a responsabilidade é total do governo brasileiro", afirmou.

Adiamento de doses

Outro ponto negativo para o Brasil no anúncio feito pelo consórcio na quarta-feira (3) é que uma parte do lote de 10,6 milhões de doses da Oxford/AstraZeneca foi adiada para o segundo semestre de 2021.

A COVAX indicou a chegada de 1,6 milhão de doses no primeiro trimestre e de mais seis milhões nos três meses seguintes, entre abril e junho. As outras três milhões de doses restantes da cota brasileira deverão desembarcar só depois do meio do ano.

No último sábado (30), o Ministério da Saúde, comandado por Eduardo Pazuello, anunciou que esperava receber entre dez e 14 milhões de doses do imunizante nesta primeira leva, mas não informou os prazos.

Até o momento, o país possui menos de 3 milhões de pessoas vacinadas.

© AP Photo / Andre PennerProfissional da saúde recebe dose de vacina contra a COVID-19 em São Paulo.
Brasil no fim da 'fila' por vacinas: quais foram os erros do governo brasileiro? - Sputnik Brasil, 1920, 04.02.2021
Profissional da saúde recebe dose de vacina contra a COVID-19 em São Paulo.

O médico sanitarista Reinaldo Guimarães, vice-presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), pondera que há um desequilíbrio mundial entre a oferta e a demanda de vacinas. O especialista ressalta que o atraso na distribuição de doses está ocorrendo em escala global.

"Temos visto vários países reclamando que não estão recebendo doses já contratadas e pagas. Então, é natural que, havendo esse desequilíbrio geral na oferta de vacinas no mundo, haja essa frustração", diz Guimarães.

Diplomacia brasileira

Contudo, o professor do Núcleo de Bioética e Ética Aplicada da UFRJ (Nubea) lembra que, em 2020, o Brasil rejeitou uma proposta de Índia e a África do Sul na Organização Mundial do Comércio (OMC).

Na ocasião, os países emergentes desejavam a suspensão de patentes e outros instrumentos de propriedade intelectual vinculados ao combate à pandemia de COVID-19, mas o governo brasileiro ficou ao lado nas nações desenvolvidas.

"O Brasil apoiou a posição dos Estados Unidos, do Canadá e da União Europeia. Isso deixou o Brasil em uma posição de fragilidade diplomática muito grande", disse o vice-presidente da Abrasco.
© Folhapress / Pedro LadeiraMinistro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, no Palácio do Planalto
Brasil no fim da 'fila' por vacinas: quais foram os erros do governo brasileiro? - Sputnik Brasil, 1920, 04.02.2021
Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, no Palácio do Planalto

Para Guimarães, em um momento de escassez de imunizantes, a diplomacia é a ferramenta mais importante para se colocar melhor na "fila" por vacinas.

"Fila haverá. Mas você pode se colocar no final ou em uma posição melhor. A atuação desastrosa do presidente da República [Jair Bolsonaro] e do ministro das Relações Exteriores [Ernesto Araújo] deixou o Brasil muito para o fim da fila", avaliou.
Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала