Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Israel teria rejeitado pressões dos EUA para inspecionar porto de Haifa ante conexões chinesas

© AP Photo / Ariel SchalitMarinheiros israelenses no submarino Rahav no porto de Haifa, Israel
Marinheiros israelenses no submarino Rahav no porto de Haifa, Israel - Sputnik Brasil, 1920, 02.02.2021
Nos siga no
Em 2018, a Marinha norte-americana disse que poderia encerrar atividades em Haifa, em Israel, neste ano devido ao envolvimento chinês na expansão portuária após um contrato que incluía a entrega do controle do projeto a uma empresa chinesa.

As autoridades israelenses teriam rejeitado a proposta dos EUA de supervisionar uma ampla inspeção de segurança no porto de Haifa, apesar das preocupações de Washington sobre o fato de empresas chinesas estarem contribuindo para o desenvolvimento do porto.

De acordo com material publicado pelo jornal israelense Haaretz na segunda-feira (1º), os Estados Unidos solicitaram a inspeção no ano passado em meio a um clima tenso no Pentágono contra Israel, devido à participação da China no processo de desenvolvimento do maior porto do país do Oriente Médio. Representantes em Washington alertaram o Estado israelense contra sua persistente cooperação com o país asiático e ameaçaram impedir que navios americanos atracassem em Haifa caso a parceria sino-israelense continuasse.

As relações entre os serviços de inteligência dos EUA e de Israel permanecem estremecidas devido às divergências entre os dois países sobre a questão. Oficiais em Washington expressaram repetidamente sua inquietação com o que chamaram de "a expansão da influência chinesa em Israel" e declararam que isto era considerado uma ameaça aos interesses estratégicos dos Estados Unidos no Oriente Médio, relatou o Haaretz.

O jornal citou um relatório do Instituto Judaico para a Segurança Nacional da América, o Jinsa, e escreveu que "os Estados Unidos precisam da ajuda de seus aliados, pois buscam reduzir a presença chinesa no Oriente Médio e a dependência econômica da China".

"A China está investindo em companhias israelenses e adquirindo tecnologia para aumentar sua militarização e industrialização e elevar sua influência", afirma a reportagem.

Segundo o acordo de 2015 entre o Ministério dos Transportes de Israel e o Grupo do Porto Internacional de Xangai, o SIPG, a empresa chinesa iniciaria a comandar o porto neste ano. Temendo a possibilidade de que o envolvimento chinês pudesse criar um abalo no monitoramento tecnológico do porto e que o mesmo atuasse como uma forma de espionar atividades navais de Israel e dos EUA em exercícios conjuntos, Washington tem constantemente insistido que Israel desista do acordo.

Alegações de espionagem chinesa através de investimento tecnológico e integração se tornaram uma marca da administração do ex-presidente dos EUA, Donald Trump, que buscava pressionar aliados tradicionais para não oferecerem contratos a companhias de tecnologia com supostos vínculos com o Partido Comunista da China.

Pequim rejeitou veementemente as alegações de Washington, e acusou os Estados Unidos de tentarem restringir um competidor global no atual domínio mundial dos interesses econômicos americanos.
Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала