- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

'Oportunistas': Doria diz que Bolsonaro mente ao assumir mérito por vinda de insumos da China

© Folhapress / Eliane Neves / FotoarenaJoão Doria, governador de São Paulo, participa de entrevista coletiva após a aplicação da primeira vacina contra a COVID-19 na capital paulista
João Doria, governador de São Paulo, participa de entrevista coletiva após a aplicação da primeira vacina contra a COVID-19 na capital paulista - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O governador de São Paulo, João Doria, disse nesta segunda-feira (25) que o presidente Jair Bolsonaro mente ao assumir mérito por liberação de insumos para fabricação das vacinas contra a COVID-19. 

Por meio do Twitter, Doria afirmou que o processo de negociação com a China para liberação dos IFAs (ingredientes farmacêuticos ativos), essenciais para a produção da CoronaVac e da vacina de Oxford, tinha sido feito pelo Instituto Butantan e o governo de São Paulo. 

​Em outra publicação, Doria disse que os integrantes do governo federal eram "engenheiros de obras prontas". 

"Sem parasitismo dos negacionistas e oportunistas. Até aqui só atrapalharam nosso trabalho em prol da ciência e da vida. São engenheiros de obra pronta. Vergonha!", escreveu o governador. 

Mais cedo, por meio das redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro disse que os insumos para a fabricação, no Butantan, da CoronaVac, imunizante desenvolvido pelo laboratório chinês Sinovac, chegarão "nos próximos dias" ao Brasil. De acordo com o presidente, 5.400 litros do componente estariam prontos para ser enviados ao Brasil. 

Além disso, também estaria sendo acertada a liberação de mais insumos para a produção da vacina de Oxford, que também depende dos IFAs trazidos da China para ser fabricada pela Fiocruz. 

O embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, respondeu à publicação de Bolsonaro, afirmando que o país asitático estava "junto com o Brasil na luta contra a pandemia". 

​Pelo Twitter, João Doria anunciou que se encontrará nesta terça-feira (26) com o embaixador e, em seguida, será anunciada a logística de importação dos insumos para a produção da CoronaVac. 

A questão da liberação dos insumos por parte da China estava sendo discutida há semanas. Na última terça-feira (19) a Fiocruz disse que, devido ao atraso da chegada dos IFAs, só conseguiria entregar os primeiros lotes da vacina de Oxford em março. 

Em relação à CoronaVac, a Anvisa aprovou, inicialmente, o uso emergencial de seis milhões de doses. Depois, a agência autorizou a aplicação de mais 4,8 milhões de doses. Além dos dois lotes, o Brasil recebeu uma carga com dois milhões de doses da vacina de Oxford vinda da Índia. 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала