Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Damares defende Bolsonaro após relatório da Human Rights Watch

© Folhapress / Mateus Bonomi/Agif/FolhapressO presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, no Palácio do Planalto, em Brasília, durante o lançamento do Projeto em Frente Brasil, que tem o objetivo de combater a criminalidade violenta nas cidades com maiores índices de homicídios. O evento aconteceu em 29 de agosto de 2019.
O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, no Palácio do Planalto, em Brasília, durante o lançamento do Projeto em Frente Brasil, que tem o objetivo de combater a criminalidade violenta nas cidades com maiores índices de homicídios. O evento aconteceu em 29 de agosto de 2019. - Sputnik Brasil
Nos siga no
Segundo a pasta comandada pela ministra Damares Alves, a ONG internacional ignora medidas do governo para proteção da população durante a pandemia de COVID-19.

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos divulgou nota nesta quarta-feira (13) criticando um recente relatório produzido pela ONG Human Rights Watch. Segundo a instituição, o governo de Jair Bolsonaro "tentou sabotar a contenção da pandemia". O relatório também apontou problemas no país, como as 744 mortes causadas por policiais no Rio de Janeiro em 2020.

​"A administração dele tentou esconder informações sobre a COVID-19 do público. Bolsonaro demitiu o ministro da Saúde por defender as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e o substituto se demitiu por se opor à defesa do presidente de uma droga não eficaz", resumiu o documento.

Para a pasta de Damares, o governo realiza políticas de enfrentamento à violência, "inclusive durante o período da pandemia de COVID-19". O relatório, segundo o ministério, ignora as medidas adotadas pelo governo federal em proteção à população mais vulnerável.

​A pasta afirma que a União está executando um plano de contingência com foco no incentivo às denúncias de violações contra direitos humanos e no fortalecimento da rede de proteção às mulheres, crianças, adolescentes, idosos e pessoas com deficiência.

Um documento publicado nas redes sociais da pasta explica que o plano busca agregar ações de diferentes órgãos com o objetivo de proteger os mais vulneráveis e assegurar o sustento dos mais acometidos pelas consequências negativas da pandemia e da crise econômica.

O ministério afirma que o plano contou com um orçamento de R$ 213 milhões em 2020, dos quais R$ 212,7 milhões foram empenhados (reservados para essas ações). Ele permitiu a distribuição de cestas de alimentos a comunidades tradicionais e indígenas.

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos destacou ainda a transferência de R$ 2,3 bilhões para estados e municípios adquirirem e distribuírem os alimentos da merenda escolar para 40 milhões de crianças e adolescentes da rede pública de ensino, além do trabalho de órgãos de direitos humanos no atendimento às denúncias feitas pela população.

© Folhapress / Wallace Martins / Futura PressMinistra dos Direitos Humanos, Damares Alves, durante coletiva sobre a COVID-19
Damares defende Bolsonaro após relatório da Human Rights Watch - Sputnik Brasil
Ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, durante coletiva sobre a COVID-19

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала