Biofluorescência em diabos-da-tasmânia é documentada pela 1ª vez (FOTO)

© Foto / Pixabay / Meg JerrardDiabo-da-Tasmânia mostrando seus dentes (imagem referencial)
Diabo-da-Tasmânia mostrando seus dentes (imagem referencial) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Trabalhadores do Jardim Zoológico de Toledo em Ohio, nos EUA, documentaram pela primeira biofluorescência em diabos-da-tasmânia, revelada em uma fotografia publicada no sábado (5), em sua página oficial do Facebook.

"A pele ao redor do focinho, olhos e ouvido interno absorvem a luz ultravioleta [um tipo de luz que é naturalmente abundante, mas invisível ao olho humano] e a reemite como luz azul visível", explica o técnico do Jardim Zoológico de Toledo, Jake Schoen. "Não está claro se tem algum propósito ecológico ou se é apenas um acaso", acrescenta.

A instituição destaca que, devido aos hábitos predominantemente noturnos desta espécie, é possível que ela não encontre níveis ultravioleta que induzam sua fluorescência na natureza, detalhando que tanto o diabo-da-tasmânia quanto outras espécies com as quais interage – incluindo predadores e presas, podem não ser capazes de detectar a luz ultravioleta ou a fluorescência resultante.

Uma 'adaptação funcional'?

"Mesmo que a biofluorescência ocorra naturalmente e seja detectável por uma espécie, ela também precisaria influenciar seu comportamento para ser considerada uma adaptação funcional", continua o comunicado, ressaltando que se deve ter cautela ao interpretar estes achados.

Por outro lado, o Zoológico de Toledo destaca que recentemente foi descoberto que esse fenômeno peculiar também ocorre em outros mamíferos australianos como o ornitorrinco, o uombat, o gambá-da-virgínia e o esquilo-voador-do-sul.

"Embora os motivos [ou a falta deles] da biofluorescência em mamíferos ainda não tenham sido determinados, é interessante especular" sobre o assunto, reporta Schoen.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала