Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Após STF barrar novo mandato na Câmara, Maia diz que nunca quis se reeleger

© AP Photo / Eraldo PeresRodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados
Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados - Sputnik Brasil
Nos siga no
O deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) afirmou nesta segunda-feira (7) que nunca pretendeu disputar a reeleição para a presidência da Câmara, mas quer indicar um sucessor. 

Neste domingo (6), o Supremo Tribunal Federal (STF), por seis votos a cinco, decidiu que a reeleição dos presidentes da Câmara e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), é inconstitucional. 

Em entrevista para a Globonews, Maia afirmou que sempre respeitou as decisões do Supremo. Segundo ele, o julgamento reforçou sua vontade de eleger um sucessor dentro de seu grupo político. 

O parlamentar citou os nomes de Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), Baleia Rossi (MDB-SP), Eumar Nascimento (DEM-BA), Luciano Bivar (PSL-PE) e Marcos Pereira (Republicanos-SP).

'Nossa candidatura não é contra o governo'

O governo do presidente Jair Bolsonaro, que era contra a reeleição de Maia, apoia o deputado Arthur Lira (PP-AL). O atual líder da Câmara negou ser contra a candidatura do parlamentar, e sim a favor da "democracia". Ele afirmou ainda que a definição do STF deu mais "energia" para as articulações para a reeleição na Câmara. 

"Nossa candidatura não é contra ninguém, ela não é contra o governo, ela não contra o Arthur Lira, o nosso candidato é a favor da democracia, é a favor da Câmara dos Deputados, e representa esse movimento que é muito mais amplo que os partidos de centro e centro-direita, é um movimento que certamente vai atingir a maioria da Câmara dos Deputados, porque todos viram que na independência da Câmara, a Câmara saiu valorizada", disse Maia. 

Além disso, o deputado ressaltou a necessidade da retomada de votações de pautas importantes no Congresso, como, por exemplo, a PEC Emergencial. 

"Vamos agora acabar com as desculpas, sentar na mesa e aprovar o que é importante", afirmou.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала