Bairro de escravos de 300 anos é descoberto em plantação jesuíta nos EUA (FOTOS)

Nos siga noTelegram
Arqueólogos norte-americanos descobriram restos de um bairro de escravos de 300 anos em uma antiga plantação jesuíta no estado de Maryland, informa a universidade de St. Mary's City.

Foram descobertos diversos cachimbos de argila quebrados, vasos de cerâmica e outros objetos utilizados por escravos no século XVIII, enterrados em campos agrícolas no parque estadual Newtowne Neck, localizado próximo de uma mansão, que naquela época era ocupada por missionários jesuítas.

© Foto / Facebook / Departamento Estadual de Transporte de MarylandObjetos arqueológicos encontrados em Maryland, EUA.
Objetos arqueológicos encontrados em Maryland, EUA - Sputnik Brasil
1/4
Objetos arqueológicos encontrados em Maryland, EUA.
© Foto / Facebook / Departamento Estadual de Transporte de MarylandObjetos arqueológicos encontrados em Maryland, EUA.
Objetos arqueológicos encontrados em Maryland, EUA - Sputnik Brasil
2/4
Objetos arqueológicos encontrados em Maryland, EUA.
© Foto / Facebook / Departamento Estadual de Transporte de MarylandObjetos arqueológicos encontrados em Maryland, EUA.
Objetos arqueológicos encontrados em Maryland, EUA - Sputnik Brasil
3/4
Objetos arqueológicos encontrados em Maryland, EUA.
© Foto / Facebook / Departamento Estadual de Transporte de MarylandObjeto arqueológico encontrado em Maryland, EUA.
Objeto arqueológico encontrado em Maryland, EUA - Sputnik Brasil
4/4
Objeto arqueológico encontrado em Maryland, EUA.
1/4
Objetos arqueológicos encontrados em Maryland, EUA.
2/4
Objetos arqueológicos encontrados em Maryland, EUA.
3/4
Objetos arqueológicos encontrados em Maryland, EUA.
4/4
Objeto arqueológico encontrado em Maryland, EUA.

A equipe utilizou detectores de metais para identificar a localização de cabanas e dos locais onde os escravos deixaram evidências de sua presença.

"Os jesuítas foram produtivos na manutenção de seus registros, porém muito pouco restou dos afro-americanos escravizados, que trabalhavam nos campos e serviam a Igreja Católica [...] Se já houve um lugar em Maryland que contivesse a história de diversas culturas convergindo para encontrar a liberdade religiosa em um ambiente de conflito, sacrifício e sobrevivência, então este é o lugar", comentou a arqueóloga do Departamento de Transporte de Maryland, Julie Schablitsky.

Os documentos históricos mencionam a venda, em 1838, de 272 escravos de Maryland, incluindo os que viviam nesta mansão.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала