Módulo de pouso que aterrissou em cometa revela segredos 'além do túmulo'

© flickr.com / Centro Aeroespacial da Alemanha DLRAparelho Philae sobre o cometa 67P Tchourioumov-Guérassimenko
Aparelho Philae sobre o cometa 67P Tchourioumov-Guérassimenko - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Philae, que tinha o objetivo de estudar o cometa 67P/Churyumov–Gerasimenko, sofreu falhas durante o período de aterrissagem, mas ele e a sonda espacial que o transportou relataram dados importantes.

Cientistas descobriram o local em que o módulo de pouso Philae, que aterrissou em 2014 no cometa 67P/Churyumov–Gerasimenko, saltou pela segunda e última vez, antes de pousar no corpo celeste, informa em comunicado a Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês).

O Philae estava acoplado à nave espacial Rosetta, que partiu da Terra em 2 de março de 2004 com o objetivo de explorar o cometa, que tem uma idade estimada de 4,6 bilhões de anos. Em 12 de novembro de 2014, quando estavam próximos ao cometa, o Philae foi separado da nave para pousar na superfície do cometa.

O módulo de pouso caiu no local esperado, Agilkia, mas seu propulsor não funcionava e seus arpões de ancoragem não dispararam, levando a máquina a saltar para uma altura de cerca de um quilômetro antes de voltar a descer.

Em seguida, Philae tocou na superfície e voltou a saltar, antes de cair de vez no vale Abydos, onde permanece até hoje. No entanto, o sítio do segundo salto permanecia desconhecido.

© Foto / NASA / JPL-Caltech / UMDImagem do cometa Tempel 1
Módulo de pouso que aterrissou em cometa revela segredos 'além do túmulo' - Sputnik Brasil
Imagem do cometa Tempel 1

"Philae tinha nos deixado com um último mistério esperando para ser resolvido", disse o astrônomo Laurence O'Rourke, da ESA. Segundo apontou, os sensores do módulo de pouso revelaram ter escavado a superfície do cometa, o que poderia dar à equipe acesso ao gelo, que remonta ao período de formação do Sistema Solar.

A pesquisa

Os pesquisadores, que publicaram o estudo na revista Nature, tentaram usar os dados do telescópio Sistema Óptico, Espectroscópico e Infravermelho de Imagem Remota (OSIRIS, na sigla em inglês) da sonda espacial para encontrar manchas brilhantes que indicassem gelo recém-exposto, mas esses locais estavam sob sombra. Essas marcas acabaram por ser achadas em imagens tiradas pela Rosetta meses depois.

Quando os cientistas da ESA usaram o MAgnetômetro e Plasma ROsetta (ROMAP, na sigla em inglês) do módulo de pouso, eles puderam estimar a quantidade de tempo que o Philae passou batendo no gelo e reconstruir o movimento da máquina.

O Philae passou quase dois minutos inteiros caindo ao redor do local do ressalto, entrando em contato com o cometa pelo menos quatro vezes, e passando cerca de três segundos afundando 25 centímetros no cometa.

No entanto, estes dados permitem agora descrever a densidade do cometa de uma maneira diferente.

"A simples ação do Philae carimbando na lateral da fenda nos permitiu descobrir que esta antiga mistura de poeira gelada, com bilhões de anos, é extraordinariamente macia, mais fofa do que espuma em um cappuccino, ou a espuma encontrada em um banho de espuma, ou em cima de ondas à beira-mar", disse O'Rourke.

A informação obtida também permitiu estimar a porosidade do cometa, com o espaço vazio ocupando 75% do 67P/Churyumov–Gerasimenko. Tudo isto ajudaria a projetar sondas de cometa no futuro.

O Philae deixou de funcionar em julho de 2015. A própria Rosetta caiu definitivamente no 67P/Churyumov–Gerasimenko em 30 de setembro de 2016.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала