Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Chilenos decidem nas urnas se querem nova Constituição

© AP Photo / Esteban FelixManifestante com máscara durante protesto em Santiago, no Chile. Foto de outubro de 2019
Manifestante com máscara durante protesto em Santiago, no Chile. Foto de outubro de 2019 - Sputnik Brasil
Nos siga no
Referendo acontece em meio à pandemia de COVID-19, que deixou cerca de 500 mil infectados e 13.900 mortos no país.

Os chilenos votam neste domingo (25) se querem substituir a Carta Magna estabelecida pela ditadura militar do Chile (1973-1990). Esta era uma das principais demandas da população após os massivos protestos contra as desigualdades sociais no ano passado.

Cerca de 14,8 milhões de cidadãos foram convocados para o processo eleitoral.

No plebiscito de domingo, os chilenos precisam responder a duas perguntas. A primeira é a escolha entre "aprovo" ou "rejeito" para mudar a Constituição.

Depois, eles precisam assinalar se o novo texto constitucional deve ser escrito por 155 cidadãos eleitos, ou por 85 e um número igual de parlamentares.

De acordo com uma publicação da Istoé, as pesquisas de intenção de voto mostram um apoio avassalador à reforma da Constituição (cerca de 80%) e à convocação de uma constituinte exclusiva (aproximadamente 60%).

© AFP 2021 / StringerOs ditadores do Chile, Augusto Pinochet, e da Argentina, Rafael Videla.
Chilenos decidem nas urnas se querem nova Constituição - Sputnik Brasil
Os ditadores do Chile, Augusto Pinochet, e da Argentina, Rafael Videla.
A Constituição do Chile de 1980, de cunho liberal, abriu as portas de uma série de segmentos da economia chilena para o setor privado. Saúde, educação e previdência social foram privatizados.

Em 2019, porém, diante das inúmeras manifestações de rejeição à desigualdade social no país, os políticos e o presidente Sebastián Piñera anunciaram a convocação de um plebiscito.

Se o "aprovo" vencer o referendo deste domingo (25), em abril de 2021 os redatores da nova Constituição serão eleitos. No segundo semestre de 2022, os cidadãos do país vão participar de outro referendo para aprovar ou rejeitar o novo texto.

Se for rejeitada, a Constituição da ditadura militar vai continuar em vigor.

Campanha eleitoral

Terminou à meia-noite desta sexta-feira (23) a campanha eleitoral para o plebiscito sobre a reforma da Constituição do Chile. A oposição, que defende um novo texto, promoveu dois comícios: um em frente ao Palácio de la Moneda, sede da presidência, reunindo as principais forças de centro-esquerda; e outro na Plaza Itália, palco das manifestações de um ano atrás, com o Partido Comunista e sindicatos.

Já os apoiadores do "não" se reuniram no bairro de Providencia, em Santiago, onde acolheram uma caravana de automóveis que havia partido cinco dias antes de Puerto Montt.

© AP Photo / Esteban Felix Soldado intercepta manifestante durante protestos no Chile
  Soldado  intercepta manifestante durante protestos no Chile - Sputnik Brasil
1/5
Soldado intercepta manifestante durante protestos no Chile
© AP Photo / Esteban FelixProtestos em Santiago, no Chile, 20 de outubro de 2019.
Protestos em Santiago, no Chile, 20 de outubro de 2019 - Sputnik Brasil
2/5
Protestos em Santiago, no Chile, 20 de outubro de 2019.
© AP Photo / Luis HidalgoReflexo de soldados em vidraça enquanto manifestantes passam em frente durante protestos no Chile em 21 de outubro de 2019.
Reflexo de soldados em vidraça enquanto manifestantes passam em frente durante protestos no Chile em 21 de outubro de 2019. - Sputnik Brasil
3/5
Reflexo de soldados em vidraça enquanto manifestantes passam em frente durante protestos no Chile em 21 de outubro de 2019.
© AP Photo / Esteban FelixManifestantes em Santiago, no Chile, confrontam um veículo policial equipado com canhões de água. O registro é do 5º dia de protestos de massa no país, em 22 de outubro de 2019.
Manifestantes em Santiago, no Chile, confrontam um veículo policial equipado com canhões de água. O registro é do 5º dia de protestos de massa no país, em 22 de outubro de 2019. - Sputnik Brasil
4/5
Manifestantes em Santiago, no Chile, confrontam um veículo policial equipado com canhões de água. O registro é do 5º dia de protestos de massa no país, em 22 de outubro de 2019.
© AP Photo / Esteban FelixManifestantes exigem liberdade de expressão e protestam contra a desigualdade social crescente no Chile.
Manifestantes exigem liberdade de expressão e protestam contra a desigualdade social crescente no Chile - Sputnik Brasil
5/5
Manifestantes exigem liberdade de expressão e protestam contra a desigualdade social crescente no Chile.
1/5
Soldado intercepta manifestante durante protestos no Chile
2/5
Protestos em Santiago, no Chile, 20 de outubro de 2019.
3/5
Reflexo de soldados em vidraça enquanto manifestantes passam em frente durante protestos no Chile em 21 de outubro de 2019.
4/5
Manifestantes em Santiago, no Chile, confrontam um veículo policial equipado com canhões de água. O registro é do 5º dia de protestos de massa no país, em 22 de outubro de 2019.
5/5
Manifestantes exigem liberdade de expressão e protestam contra a desigualdade social crescente no Chile.
Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала