- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Rodrigo Maia descarta prorrogação do auxílio emergencial

© Folhapress / André CoelhoPresidente Jair Bolsonaro deixa a Câmara dos Deputados acompanhado pelo presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia
Presidente Jair Bolsonaro deixa a Câmara dos Deputados acompanhado pelo presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), declarou neste sábado (17) que não pretende pautar a prorrogação do estado de calamidade, defendido por parte do Congresso para viabilizar extensão do auxílio emergencial.

De acordo com ele, a extensão da estado de calamidade significaria "uma sinalização muito ruim" a investidores sobre o compromisso do país com a responsabilidade fiscal.

"Prorrogar a calamidade, em tese, vai gerar a prorrogação da PEC da Guerra e, automaticamente, prorrogando a PEC da Guerra vai passar uma sinalização muito ruim para aqueles que confiam e precisam da credibilidade da âncora fiscal para continuar investindo ou voltar a investir nesse país", disse o presidente da Câmara.

O decreto sobre o estado de calamidade autoriza o não cumprimento da meta fiscal por parte da União e permite o aumento de despesas de auxílio para combater a crise provocada pela pandemia da COVID-19.

​"A gente já viu que ideias criativas geram desastres econômicos e impactam a vida das famílias brasileiras", acrescentou Maia.

O presidente da Câmara afirmou que não há a possibilidade do auxílio emergencial ser prorrogado.

"A pandemia e a estrutura que foi construída para seu enfrentamento tem data para acabar, que é 31 de dezembro de 2020. Qualquer coisa que mude essa regra vai gerar um impacto muito grande em indicadores econômicos que vão afetar muito mais a vida dos brasileiros do que um, dois ou três meses de renda mínima", disse.

De acordo com Rodrigo Maia, se houver uma prorrogação do auxílio emergencial, em um médio e longo prazo o "governo vai pagar a conta com a sua popularidade".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала