'Sem efeitos adversos': ministro russo explica escolha de vacina baseada em adenovírus humano

© Sputnik / Yevgeny Biyatov / Abrir o banco de imagensO ministro da Indústria e Comércio da Rússia, Denis Manturov, durante encontro da União dos Produtores e Empresários da Rússia
O ministro da Indústria e Comércio da Rússia, Denis Manturov, durante encontro da União dos Produtores e Empresários da Rússia - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Em agosto, a Rússia registrou a primeira vacina do mundo contra o coronavírus, muito elogiada por especialistas em saúde de todo o mundo e avaliada na renomada revista médica Lancet. Mais de 50 países manifestaram interesse em adquirir a vacina Sputnik V.

O ministro da Indústria e Comércio da Rússia, Denis Manturov, revelou porque prefere uma vacina de coronavírus baseada em adenovírus humanos ao invés de uma vacina baseada em adenovírus de macaco.

Em entrevista à Bloomberg, Manturov afirmou que tomou a vacina russa Sputnik V antes do final dos testes da Fase três, pois não tem efeitos adversos no corpo, além de sintomas leves.

"Eu prefiro o adenovírus humano. Este método é bem conhecido e a fórmula está disponível para que todos os especialistas possam ter uma visão clara de como a vacina funciona e de seus benefícios, ou seja, não há efeitos adversos, exceto talvez sintomas leves durante nos primeiros dias. Tive um pouco de febre à noite, talvez por algumas horas. No dia seguinte, apenas dor de cabeça leve", disse Manturov.

Segundo o ministro, ele tomou a vacina ao levar em consideração a sua responsabilidade, pois ele é o encarregado pela produção das vacinas contra o coronavírus.

Manturov ressaltou ainda que a vacina o ajudou a proteger a si mesmo e às pessoas com quem trabalha. O ministro acrescentou que seu filho e sua mãe de 84 anos também decidiram tomar a vacina Sputnik V.

Como funciona a vacina da Rússia?

A vacina, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, e que permite aos indivíduos desenvolver imunidade contra o COVID-19 por até dois anos, é baseada no adenovírus, vírus que pode causar o resfriado comum.

Os cientistas primeiro o modificam, transformando-o no vetor adenoviral, que é inofensivo e incapaz de se reproduzir no corpo humano.

© Sputnik / RFPI e Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya / Abrir o banco de imagensFrascos da vacina Sputnik V (foto de arquivo).
Frascos da vacina Sputnik V (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
1/6
Frascos da vacina Sputnik V (foto de arquivo).
© REUTERS / Maksim ShemetovEspecialista trabalha na fábrica farmacêutica Binnopharm, parte do Grupo Alium, propriedade da sociedade financeira Sistema, que desenvolve a vacina Sputnik V contra a doença do coronavírus (COVID-19) em Zelenograd, perto de Moscou, Rússia, 18 de setembro de 2020.
Especialista trabalhando na fábrica farmacêutica Binnopharm - Sputnik Brasil
2/6
Especialista trabalha na fábrica farmacêutica Binnopharm, parte do Grupo Alium, propriedade da sociedade financeira Sistema, que desenvolve a vacina Sputnik V contra a doença do coronavírus (COVID-19) em Zelenograd, perto de Moscou, Rússia, 18 de setembro de 2020.
© Sputnik / Vladimir Pesnya Enfermeira manipula vacina russa Sputnik V contra COVID-19 durante testes com voluntários em Moscou, Rússia, 9 de setembro de 2020.
Enfermeira manipula vacina russa Sputnik V contra COVID-19 durante testes com voluntários em Moscou, Rússia, 9 de setembro de 2020 - Sputnik Brasil
3/6
Enfermeira manipula vacina russa Sputnik V contra COVID-19 durante testes com voluntários em Moscou, Rússia, 9 de setembro de 2020.
© Sputnik / Vladimir PesnyaVacina russa contra o coronavírus SARS-CoV-2 Gam COVID-Vac (Sputnik V).
Vacina russa contra o coronavírus SARS-CoV-2 Gam COVID-Vac (Sputnik V) - Sputnik Brasil
4/6
Vacina russa contra o coronavírus SARS-CoV-2 Gam COVID-Vac (Sputnik V).
© Sputnik / Vladimir Pesnya Funcionária de laboratório realiza testes com vacina Sputnik V contra a COVID-19, em Moscou, Rússia, 10 de setembro de 2020.
Funcionária de laboratório realiza testes com vacina Sputnik V contra a COVID-19, em Moscou, Rússia, 10 de setembro de 2020 - Sputnik Brasil
5/6
Funcionária de laboratório realiza testes com vacina Sputnik V contra a COVID-19, em Moscou, Rússia, 10 de setembro de 2020.
© Sputnik / Vladimir Pesnya / Abrir o banco de imagensVoluntária toma a vacina Sputnik V durante testes clínicos pós-registro do medicamento em Moscou.
Voluntária toma a vacina Sputnik V durante testes clínicos pós-registro do medicamento em Moscou - Sputnik Brasil
6/6
Voluntária toma a vacina Sputnik V durante testes clínicos pós-registro do medicamento em Moscou.
1/6
Frascos da vacina Sputnik V (foto de arquivo).
2/6
Especialista trabalha na fábrica farmacêutica Binnopharm, parte do Grupo Alium, propriedade da sociedade financeira Sistema, que desenvolve a vacina Sputnik V contra a doença do coronavírus (COVID-19) em Zelenograd, perto de Moscou, Rússia, 18 de setembro de 2020.
3/6
Enfermeira manipula vacina russa Sputnik V contra COVID-19 durante testes com voluntários em Moscou, Rússia, 9 de setembro de 2020.
4/6
Vacina russa contra o coronavírus SARS-CoV-2 Gam COVID-Vac (Sputnik V).
5/6
Funcionária de laboratório realiza testes com vacina Sputnik V contra a COVID-19, em Moscou, Rússia, 10 de setembro de 2020.
6/6
Voluntária toma a vacina Sputnik V durante testes clínicos pós-registro do medicamento em Moscou.

Depois disso, eles injetam o genoma SARS-CoV-2 no vetor adenoviral. Quando a vacina é administrada a um indivíduo, as células do corpo começam a produzir a proteína spike do coronavírus, levando o sistema imunológico a produzir anticorpos e ativar as células para destruir aquelas que foram infectadas com o coronavírus.

O que torna a vacina Sputnik V única é o fato de ser baseada em dois sorotipos de adenovírus humanos - número 5 (Ad5) e número 26 (Ad26).

Isso concede à ela uma clara vantagem sobre a abordagem de um vetor usada por outros desenvolvedores. O Sputnik V consiste em duas injeções administradas em um intervalo de três semanas.

O Sputnik V está agora concluindo seus testes de Fase três, conforme exigido pela Organização Mundial da Saúde.

Segundo Kirill Dmitriev, CEO do Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI) - entidade que investiu no desenvolvimento da vacina -, 50 países já manifestaram interesse em adquirir a vacina.

O RDIF também recebeu solicitações de mais de 20 países para um total de um bilhão de doses de Sputnik V.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала