Por que Arábia Saudita pode ocasionar nova guerra de preços do petróleo?

© AP Photo / John MooreKhaled al Otaiby, funcionário da petrolífera saudita Aramco, acompanha os trabalhos no campo de al-Howta
Khaled al Otaiby, funcionário da petrolífera saudita Aramco, acompanha os trabalhos no campo de al-Howta  - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Segundo especialistas do portal Oilprice, este cenário poderia ocorrer ao longo dos próximos meses.

Tanto a Rússia como a Arábia Saudita estão sofrendo economicamente as consequências da desvalorização do petróleo. Ante uma perspectiva pouco provável de recuperação rápida da demanda mundial do petróleo cru pela pandemia do coronavírus existe a possibilidade de que seja desencadeada uma nova guerra de preços do petróleo, admite o portal Oilprice.

A contínua debilidade dos mercados de petróleo parece estar fomentando tensões dentro da OPEP+, o que poderia levar a uma iminente divisão dentro de sua liderança.

© REUTERS / Heinz-Peter Bader/File PhotoUma bandeira com o logotipo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) fotografada durante uma coletiva de imprensa na sede da OPEP em Viena, Áustria.
Por que Arábia Saudita pode ocasionar nova guerra de preços do petróleo? - Sputnik Brasil
Uma bandeira com o logotipo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) fotografada durante uma coletiva de imprensa na sede da OPEP em Viena, Áustria.

Desde o acordo alcançado neste ano sobre cortes de produção, diferenças internas foram mantidas à distância graças à pandemia global da COVID-19 e a altos volumes de petróleo armazenados.

Contudo, apesar do otimismo gerado no setor por vários prognósticos de valorização em 2021, a realidade dos mercados de petróleo é pouco promissora.

A ameaça de novas restrições na Europa, que afetariam a demanda e economia globais, segue real. Porém, a OPEP+ parece ver as coisas de outra forma, "com as válvulas de petróleo na Arábia Saudita, Rússia e outros países-membros sendo reabertas", salienta o portal.

Ainda que o cumprimento dos cortes de produção continue sendo em torno de 100%, esta cifra vai cair ao longo dos próximos meses.

Os níveis de armazenamento de petróleo cru permanecem altos, enquanto o mundo está sendo inundado por hidrocarbonetos e gás, razão pela qual os corretores internacionais questionam abertamente a iniciativa atual da OPEP+ de aumentar a oferta.

Em janeiro de 2021, os cortes de aproximadamente dez milhões de barris por dia caíram para seis milhões. Contudo, no mês de maio, especialistas disseram que os cortes existentes são insuficientes e seu relaxamento somente estenderia a debilidade dos mercados.

Pressão do mercado

Trata-se de um momento alarmante para os dois arquitetos do acordo da OPEP+. "Alguém poderia dizer que Riad e Moscou se encontram em uma situação de Ardil-22, uma vez que qualquer coisa que façam, o mercado está muito fraco para reagir e vai terminar prejudicando ambos", indica o Oilprice.

© AP Photo / Hassan AmmarInstalação petrolífera da empresa Aramco, na Arábia Saudita
Por que Arábia Saudita pode ocasionar nova guerra de preços do petróleo? - Sputnik Brasil
Instalação petrolífera da empresa Aramco, na Arábia Saudita

Os preços estão muito baixos para sustentar a estratégia governamental de ambos os países. Não obstante, o presidente russo, Vladimir Putin, conta com maior flexibilidade que os líderes sauditas, porque seu papel de potência global ainda abre portas.

Sem altos preços do petróleo bruto, não somente a saudita Aramco, a principal petroleira em operação no país, está sofrendo, mas também a maior parte dos projetos governamentais.

"As finanças do reino estão passando por apuros, como demonstra o fato de que o interesse internacional nas obrigações do Estado saudita [e russo] estão diminuindo", salienta o portal.

Antiga opção

À medida que aumentam suas crises internas, Moscou e Riad poderiam seguir caminhos diferentes. "Um enfoque mais agressivo de Riad em direção à sua proporção do mercado e preços não é de todo impensável", sugere o portal.

"Se a cooperação não gerar os frutos necessários, a antiga opção de uma nova guerra de preços do petróleo não é nada inimaginável", adverte o portal.

Segundo o Oilprice, este cenário poderia prevalecer nos próximos meses. Portanto, os mercados de petróleo bruto devem estar preparados.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала