Kremlin classifica de caos a situação no Quirguistão

© Sputnik / Sergei GuneevO porta-voz do presidente russo Dmitry Peskov no Kremlin
O porta-voz do presidente russo Dmitry Peskov no Kremlin - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse nesta quinta-feira (8) que o Quirguistão vive uma situação de caos e confusão.

"O desenvolvimento da situação é muito preocupante [...] Parece ser uma bagunça e um caos", disse Peskov aos jornalistas.

O porta-voz lembrou que o Quirguistão tem boas relações com a Rússia e, por isso, "tudo o que acontece ali é importante" para Moscou. Além disso, Peskov acrescentou que espera que a situação no país centro-asiático se normalize logo.

"Esperamos que, entre outras coisas, os esforços do presidente interino do Conselho de Segurança [do Quirguistão] e do presidente do Comitê Estatal de Segurança Nacional [Omurbek Suvanaliev] ajudem a estabilizar a situação de alguma maneira", afirmou.

Peskov assinalou que chefe do Serviço Federal de Segurança (FSB, na sigla em russo) da Rússia, Aleksandr Bortnikov, abordou a crise no país centro-asiático durante uma conversa telefônica com Suvanaliev.

"A Rússia apoiou as ações do Comitê Estatal de Segurança Nacional para estabilizar a situação na república, a fim de evitar uma escalada rumo ao caos", disse o porta-voz.
© REUTERS / Vladimir PirogovManifestantes debatem em frente à sede do governo do Quirguistão, na capital Bishkek, 8 de outubro de 2020.
Manifestantes debatem em frente à sede do governo do Quirguistão, na capital Bishkek, 8 de outubro de 2020 - Sputnik Brasil
1/5
Manifestantes debatem em frente à sede do governo do Quirguistão, na capital Bishkek, 8 de outubro de 2020.
© Sputnik / Tabyldy Kadyrbekov / Abrir o banco de imagensLíder do partido Quirguistão Soberano, Bektur Asanov, durante protesto em Bishkek.
Líder do partido Quirguistão Soberano, Bektur Asanov, durante protesto em Bishkek - Sputnik Brasil
2/5
Líder do partido Quirguistão Soberano, Bektur Asanov, durante protesto em Bishkek.
© AFP 2022 / Vyacheslav OseledkoManifestantes contestam resultados de eleições parlamentares em Bishkek, Quirguistão, 6 de outubro de 2020.
Manifestantes contestam resultados de eleições parlamentares em Bishkek, Quirguistão, 6 de outubro de 2020  - Sputnik Brasil
3/5
Manifestantes contestam resultados de eleições parlamentares em Bishkek, Quirguistão, 6 de outubro de 2020.
© Sputnik / Tabyldy Kadyrbekov / Abrir o banco de imagensManifestantes em Bishkek, capital do Quirguistão, exigem a anulação dos resultados das eleições parlamentares.
Manifestantes em Bishkek, capital do Quirguistão, exigem a anulação dos resultados das eleições parlamentares - Sputnik Brasil
4/5
Manifestantes em Bishkek, capital do Quirguistão, exigem a anulação dos resultados das eleições parlamentares.
© Sputnik / Tabyldy Kadyrbekov / Abrir o banco de imagensEm Bishkek, capital do Quirguistão, policiais enfrentam manifestantes contrários aos resultados das eleições parlamentares no país, em 5 de outubro de 2020.
Em Bishkek, capital do Quirguistão, policiais enfrentam manifestantes contrários aos resultados das eleições parlamentares no país, em 5 de outubro de 2020 - Sputnik Brasil
5/5
Em Bishkek, capital do Quirguistão, policiais enfrentam manifestantes contrários aos resultados das eleições parlamentares no país, em 5 de outubro de 2020.
1/5
Manifestantes debatem em frente à sede do governo do Quirguistão, na capital Bishkek, 8 de outubro de 2020.
2/5
Líder do partido Quirguistão Soberano, Bektur Asanov, durante protesto em Bishkek.
3/5
Manifestantes contestam resultados de eleições parlamentares em Bishkek, Quirguistão, 6 de outubro de 2020.
4/5
Manifestantes em Bishkek, capital do Quirguistão, exigem a anulação dos resultados das eleições parlamentares.
5/5
Em Bishkek, capital do Quirguistão, policiais enfrentam manifestantes contrários aos resultados das eleições parlamentares no país, em 5 de outubro de 2020.

Entenda a crise política no Quirguistão

No último domingo (4), o Quirguistão realizou eleições legislativas cujos resultados preliminares apontaram a vitória dos partidos governistas Birimdik e Mekenim Quirguistão.

No dia seguinte (5), milhares de apoiadores da oposição, cujos partidos foram incapazes de superar 7% dos votos, o mínimo exigido para entrar no Parlamento, lotaram as ruas para denunciar irregularidades e exigir a repetição do pleito.

Os protestos derivaram em enfrentamentos com as forças de segurança e a ocupação de vários edifícios públicos, entre eles as sedes do Parlamento, do governo e da prefeitura da capital Bishkek. Os manifestantes também conseguiram libertar vários políticos que estavam presos, entre eles o ex-presidente Almazbek Atambaev. Segundo o Ministério da Saúde quirguiz, pelo menos uma pessoa morreu e mais de mil ficaram feridas nos distúrbios.

O presidente de Quirguistão, Sooronbai Zheenbekov, denunciou uma tentativa de tomada violenta do poder e pediu o fim dos distúrbios, mas também solicitou que a autoridade eleitoral investigasse as denúncias de irregularidades, o que resultou na anulação dos resultados oficiais.

A oposição, por sua vez, criou um conselho de coordenação e postulou para o cargo de primeiro-ministro Sadyr Zhaparov, que estava entre o grupo de políticos libertados da prisão e teve seu nome ratificado na última terça-feira (6), em uma sessão extraordinária do Parlamento.

Vários líderes da oposição, no entanto, rechaçaram a postulação de Zhaparov e anunciaram a criação de um conselho alternativo. Além disso, exigiram a renúncia do presidente do país e a dissolução do Parlamento.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала