Documentado caso mais antigo de mutilação facial como castigo na Inglaterra anglo-saxã (FOTOS)

Nos siga noTelegram
A análise do crânio, encontrado no sul da Inglaterra nos anos 1960, demonstrou que no momento de sua morte a jovem tinha entre 15 e 18 anos.

Um recente estudo arqueológico liderado por University College de Londres (Reino Unido) revelou novas informações sobre as raízes dos castigos brutais utilizados contra criminosos na Inglaterra na Alta Idade Média.

Até o momento, o primeiro caso documentado de mutilação facial formal na Inglaterra anglo-saxônica remonta ao século X d.C. Contudo, a análise dos restos encontrados na década de 1960 durante escavações na cidade de Basingstoke, no sul da Inglaterra, demonstrou que essa forma de castigo já existia um século antes.

© Foto / Imprensa da Universidade de CambridgeCrânio de jovem que sofreu mutilação facial
Documentado caso mais antigo de mutilação facial como castigo na Inglaterra anglo-saxã (FOTOS) - Sputnik Brasil
Crânio de jovem que sofreu mutilação facial
Trata-se de um crânio que teria pertencido a uma jovem de entre 15 e 18 anos e que tem "evidência de uma mutilação facial em forma da remoção total do nariz e remoção parcial do lábio superior, com o couro cabeludo frontal possivelmente arrancado".

Utilizando a datação por radiocarbono, a equipe definiu que a menina teria vivido entre 776 e 946 d.C.

"Este caso parece ser o primeiro exemplo arqueológico desta forma particularmente brutal de desfiguração facial conhecida na Inglaterra anglo-saxã", salientaram os autores do estudo (ainda não revisado por pares), publicado na revista Antiquity.

As circunstâncias da morte

Os pesquisadores se inclinam a acreditar que a menina tenha sofrido as lesões pouco antes de sua morte, ainda que não excluem a possibilidade de que as feridas possam ter sido infligidas parcial ou completamente depois do falecimento, enquanto o osso ainda estava fresco.

© Foto / Imprensa da Universidade de CambridgeArcada dentária de vítima de mutilação facial
Documentado caso mais antigo de mutilação facial como castigo na Inglaterra anglo-saxã (FOTOS) - Sputnik Brasil
Arcada dentária de vítima de mutilação facial

Devido à ausência de outras partes do esqueleto, os pesquisadores não puderam determinar a causa exata da morte.

"Dado que somente se recuperou o crânio, é possível que a cabeça tenha sido removida do corpo como parte do castigo, talvez com o propósito de exibi-la, como se evidencia em outras partes da Inglaterra anglo-saxã", destacaram os autores.

As fontes textuais sobre o sistema judicial e punitivo anglo-saxão indicam que a mutilação da cabeça como castigo se limitava a circunstâncias muito específicas. As marcas encontradas no crânio de Basingstoke indicam que a jovem pode ter sido acusada de adultério ou roubo.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала