- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Pior fase da COVID-19 já passou no Brasil, diz sanitarista

© AP Photo / Silvia IzquierdoMulher caminha em frente ao Hotel Hilton, no Rio de Janeiro, fechado por conta da pandemia da COVID-19.
Mulher caminha em frente ao Hotel Hilton, no Rio de Janeiro, fechado por conta da pandemia da COVID-19. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Nesta quarta-feira (26) o Brasil completou seis meses desde a confirmação de seu primeiro caso de COVID-19, registrado em São Paulo.

Desde então o país já registra mais de 117 mil mortes causadas pelo novo coronavírus e 3.717.156 de casos confirmados da doença. Os números fazem do Brasil o segundo país mais afetado, atrás apenas dos EUA.

De acordo com o Ministério da Saúde, em 13 de agosto a doença estava presente em 98,4% dos municípios.

Em entrevista à Sputnik Brasil, Alexandre Chieppe, médico sanitarista da Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro, diz acreditar que, apesar dos altos números, a pior fase da pandemia no Brasil já ficou para trás.

"Eu diria que a pior fase da doença passou, agora a tendência ainda é obviamente a gente conviver com esse novo coronavírus por muito tempo, até que a gente tenha uma vacina eficaz e com uma cobertura muito elevada no país, mas eu acho que a pior fase passou", disse.

No entanto, apesar de pensar que a pior fase da pandemia da COVID-19 já passou, Chieppe reforça que os cuidados devem ser mantidos.

"A população, seguindo as orientações das autoridades públicas de saúde, deve manter as medidas de precauções, a utilização de máscara e manter aqueles cuidados como a higienização das mãos e a utilização do álcool quando necessário", recomendou.

Alexandre Chieppe também acredita que o Brasil vivenciará uma segunda onda da COVID-19 diferente. Para o sanitarista o que vai acontecer no país é a manifestação de uma segunda onda através de uma "interiorização do vírus".

"A segunda onda está muito mais relacionada ao cometimento daquelas pessoas que em um primeiro momento ficaram isoladas e que depois começaram a se expor. O que a gente está vendo aqui é que efetivamente essa segunda onda não vem acontecendo com a intensidade que algumas pessoas imaginavam. Na verdade, a segunda onda que a gente está vendo é a da interiorização da pandemia", acredita.

Para Chieppe, a partir do momento que uma vacina contra a COVID-19 for aprovada, levará de seis a oito meses até o Brasil conseguir imunizar toda a população.

"O Brasil tem um dos sistemas de imunização mais abrangentes do mundo, então a gente já tem uma experiência de campanha de vacinação, mas é um desafio muito grande. Isso teria que ser escalonado ao longo de alguns meses para que os serviços de saúde tenham capacidade de vacinar essa população toda. A partir de uma disponibilidade de uma vacina certamente a gente precisaria de uns seis meses, oito meses para garantir a vacinação de toda a população", completou.

Segundo o último balanço do Ministério da Saúde, somente nas últimas 24 horas o Brasil registrou 1.085 novas mortes pela COVID-19 e 47.161 novos casos confirmados da doença em relação ao que foi contabilizado na terça-feira (25).

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала