Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Rússia inicia 2ª fase de testes clínicos de outra vacina contra coronavírus

© Sputnik / Yevgeny Yepanchintsev / Abrir o banco de imagensFuncionária do Centro de Higiene e Epidemiologia da região oriental de Transbaikal, Rússia
Funcionária do Centro de Higiene e Epidemiologia da região oriental de Transbaikal, Rússia - Sputnik Brasil
Nos siga no
Anteriormente, o Centro Gamaleya desenvolveu a vacina Sputnik V, a primeira registrada no mundo contra o SARS-CoV-2. Ambas as instituições russas estão na frente do desenvolvimento de vacinas no país.

O Centro Estatal de Pesquisa de Virologia e Biotecnologia Vektor, em Novossibirsk, na Rússia, iniciou a segunda fase de testes clínicos de sua vacina, para examinar o efeito em humanos, declarou a diretora do Serviço Federal de Defesa dos Direitos dos Consumidores e Bem-Estar Humano da Rússia (Rospotrebnadzor), Anna Popova.

"Todos os voluntários, que foram selecionados de maneira específica e especial, se sentem bem. Aqueles que já receberam a vacina não têm absolutamente nenhuma reação adversa. Não há sequer a menor vermelhidão no local da injeção. Todos estão com temperatura [corporal] absolutamente normal", conta.

"É absolutamente certo que cada país, e a Federação da Rússia em particular, deveria ter várias vacinas diferentes, e é o que estamos fazendo hoje", destacou Popova.

O Centro Vektor iniciou os ensaios clínicos da vacina em 27 de julho, com o anúncio da participação de 300 voluntários entre 18 e 60 anos, incluindo 60 funcionários da própria instituição.

Na semana passada, o Ministério da Saúde da Rússia registrou a primeira vacina contra o coronavírus do mundo, chamada Sputnik V e desenvolvida pelo Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya em cooperação com o Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo).

A vacina é aplicada em forma de solução para injeção intramuscular, devendo ser administrada em duas etapas, com intervalos de três semanas. Tal esquema, comunicou o Ministério da Saúde, torna possível a formação de imunidade por até dois anos.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала