Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Filme 'A Vida é Maravilhosa': russos e italianos revelam como ser livre em um país autoritário

© Foto / Mosfilm (1979)Giancarlos Giannini e Ornella Muti em cena do filme "A Vida é Maravilhosa", de 1979
Giancarlos Giannini e Ornella Muti em cena do filme A Vida é Maravilhosa, de 1979 - Sputnik Brasil
Nos siga no
Neste fim de semana, os leitores da Sputnik Brasil terão a oportunidade de assistir de graça a uma produção ítalo-soviética que relata a vida de um homem livre, vivendo em uma sociedade que não é livre.

Coprodução ítalo-soviética da década de 1970, o filme "A Vida é Maravilhosa" relata a saga de um malandro que sabe que a liberdade e o prazer só são atingíveis quando vivemos de acordo com a ética.

Nosso protagonista é Antonio Murillo, um piloto da aeronáutica vivido pelo ator italiano Giancarlo Giannini que, depois de se recusar a alvejar uma embarcação com refugiados, se demite da força e vira taxista.

"Ele vira taxista por causa de um ato muito nobre [...] na embarcação, havia rebeldes, mas também mulheres e crianças, que não tinham nada a ver com a guerra", contou o crítico de cinema Osvaldo Neto à Sputnik Brasil.

Apesar de Murillo ser um homem espontâneo e muito despojado, ele é sobretudo ético, "se nega a compactuar com o mal".

A vida pacata de motorista muda no dia em que conhece Maria e, a seu pedido, transporta em seu táxi um passageiro visado pelo sistema de inteligência de seu país.

© Foto / Mosfilm (1979)Atriz italiana Ornella Muti interpreta Maria, em cena do filme "A Vida é Maravilhosa", de 1979
Filme 'A Vida é Maravilhosa': russos e italianos revelam como ser livre em um país autoritário  - Sputnik Brasil
Atriz italiana Ornella Muti interpreta Maria, em cena do filme "A Vida é Maravilhosa", de 1979

A partir de então, Murillo vira um relutante informante da polícia, membro de uma rede clandestina de oposição e amante apaixonado da bela Maria, interpretada por Ornella Muti, "um rosto muito marcante do cinema italiano".

"Giannini está fabuloso. Na minha opinião, essa é uma das melhores atuações dele", opinou Neto. "O personagem malandro, que faz tudo por amor e liberdade, casou-se perfeitamente com ele."

A história se passa em um país não identificado, que poderia ser um país da Península Ibérica ou latino-americano.

Como muitos espectadores brasileiros vão concordar, o filme pode muito bem fazer referência à nossa querida terra de Vera Cruz.

"Esse filme desafia classificações: é romance, suspense, filme policial. Vira filme de cadeia, e depois filme de fuga", disse o crítico de cinema.

© East NewsGiancarlos Giannini e Ornella Muti em cena do filme "A Vida é Maravilhosa", de Grigory Chukhrai
Filme 'A Vida é Maravilhosa': russos e italianos revelam como ser livre em um país autoritário  - Sputnik Brasil
Giancarlos Giannini e Ornella Muti em cena do filme "A Vida é Maravilhosa", de Grigory Chukhrai

"Apesar de ser uma coprodução soviética e italiana, o filme tem uma clara inspiração do cinema político italiano dos anos 70", explicou.

Assinado pelo diretor soviético Grigory Chukhrai, nomeado três vezes para a Palma de Ouro em Cannes, o filme descreve a batalha entre a astúcia e a vontade de viver contra os cadafalsos das prisões. 

Para Neto, as cenas que retratam os horrores das prisões desta sociedade não identificada revelam um trabalho exímio da equipe de produção de arte.

"Aquela prisão é um lugar que poderia facilmente estar no subconsciente de qualquer um como um lugar de pesadelo", revelou. "Mesmo assim, você nota a sua beleza, o que se deve ao talento dos diretores de arte."

A prisão representada no filme pode ser uma referência às prisões de Caxias e Peniche, conhecidas por terem abrigado membros da oposição à ditadura de Salazar, em Portugal.

© Foto / Mosfilm (1979)Ator lituano Regimantas Adomaitis, em cena do filme "A Vida é Maravilhosa"
Filme 'A Vida é Maravilhosa': russos e italianos revelam como ser livre em um país autoritário  - Sputnik Brasil
Ator lituano Regimantas Adomaitis, em cena do filme "A Vida é Maravilhosa"

Por fim, "a música foi composta por um craque italiano, Armando Trovaioli, que fez a trilha sonora de muitos filmes policiais italianos, que vieram na esteira do sucesso de 'O Poderoso Chefão'", disse Neto.

Apesar de ser um filme político, "A Vida é Maravilhosa" não nos revela se o personagem é de esquerda ou de direita.

Revela, por outro lado, que a vida é, sim, maravilhosa, se a vivemos de acordo com a nossa consciência.

O filme "A Vida é Maravilhosa" será disponibilizado de graça por 48 horas pela CPC-Filmes, em parceria com a Mosfilm, a partir das 19h00 no horário de Brasília desta sexta-feira, 14 de agosto. Acesse aqui a obra-prima. A Sputnik Brasil deseja a todos uma ótima sessão de cinema.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала