- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Oferta de crédito a pequenas empresas ainda não é suficiente para atender demanda, diz economista

© Folhapress / Alessandro Buzas/Futura Press Comércio fechado na região de Botafogo no Rio de Janeiro (RJ), nesta sexta-feira (20), por conta do novo coronavírus.
 Comércio fechado na região de Botafogo no Rio de Janeiro (RJ), nesta sexta-feira (20), por conta do novo coronavírus. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Banco Central decidiu na semana passada que o saldo de crédito para financiamento para pequenas e médias empresas vai poder ser deduzido da exigibilidade do recolhimento compulsório sobre recursos de depósitos de poupança.

O depósito compulsório é um mecanismo que determina a obrigação dos bancos de reservar no Banco Central uma parte dos valores que eles captam com seus clientes.

A medida permite que os bancos descontem do compulsório os valores que foram emprestados para empresas com faturamento anual de até R$ 50 milhões. Segundo uma nota do governo federal, a iniciativa tem potencial de liberação de recursos para operações de capital de giro e para aplicações em Depósitos a Prazo com Garantia Especial (DPGE) de até R$ 55,8 bilhões.

O economista Johnny Mendes, professor da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), disse, no entanto, que o valor provavelmente é menor do que o necessário.

"Essa oferta de crédito não é suficiente para o tamanho da demanda por crédito [por parte dessas empresas]", afirmou à Sputnik Brasil.

Outro problema destacado por Mendes é de que muitas empresas não estão conseguindo ter capital de giro suficiente para conseguir se beneficiar da medida.

"Outro ponto é que como é que essas empresas podem entregar garantias que possam permitir que elas tenham acesso a essas linhas de crédito se as suas receitas estão zeradas ou muito comprometidas?", questionou.

O economista acredita que novas medidas de auxílio às pequenas e médias empresas serão necessárias no curto prazo.

"A ideia é que, apesar de estar vindo em um momento oportuno, é bem provável que nós iremos ver novas políticas que vão tentar se aproximar mais do tamanho dessa demanda que vai sendo sentida pelo governo", afirmou.

Segundo Mendes, o ideal é que o governo em um futuro consiga se antecipar à demanda.

"O problema é se isso vai chegar a tempo, porque até o momento o que eu acho mais incoerente é que as ações de políticas monetárias para ajuda das pequenas e médias empresas são sempre um reflexo do excesso de demanda, enquanto elas deveriam chegar à ponta antes que essa demanda aumentasse", completou.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала