- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Brasil e EUA unem forças para isolar esquerda no BID, diz analista

© AP Photo / Susan WalshO presidente dos EUA, Donald Trump (à esquerda), cumprimenta o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (à direita) durante encontro bilateral no G-20, em Osaka, Japão, no dia 28 de junho de 2019.
O presidente dos EUA, Donald Trump (à esquerda), cumprimenta o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (à direita) durante encontro bilateral no G-20, em Osaka, Japão, no dia 28 de junho de 2019.  - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Brasil e Estados Unidos devem somar forças para isolar países governados pela esquerda no Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que deve escolher seu novo presidente em breve.

Os Estados Unidos decidiram apresentar candidato próprio à presidência da instituição, medida que pode resultar na quebra de uma tradição de seis décadas. O BID sempre foi presidido por latino-americanos. 

De acordo com o jornal O Globo, a medida vai na contramão das expectativas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que pretendia lançar um nome brasileiro para presidir a entidade. O periódico afirma que os Estados Unidos iriam apoiar o nome brasileiro na eleição. 

O presidente do BID precisa ter o voto de ao menos 15 dos 26 países que fazem parte da organização. Estes 15 países precisam, também, ter pelo menos 30% do capital do banco. Estados Unidos (30%), Brasil (11%) e Argentina (11%) são os principais acionistas.

Para o professor de Relações e Negócios Internacionais na Universidade Presbiteriana Mackenzie Francisco Cassano, Brasil e Estados Unidos devem unir forças para combater a candidatura da Argentina. 

"O interesse brasileiro é de impedir que a candidatura argentina, com apoio do México, possa assumir o BID e realçar o poder da esquerda latino-americana. Como a indicação norte-americana também segue essa mesma linha de pensamento, e como Trump recebeu advertência escrita do Congresso norte-americano sobre a aproximação com o Brasil, fica evidente que as chances do candidato norte-americano são muito maiores", diz Cassano.

Em 2019, o BID aprovou 106 operações de financiamento com um valor total de US$ 11,3 bilhões. Os projetos envolvem diversos setores como educação, saúde, transportes e agricultura. No Brasil, o BID contribuiu, entre outros projetos, para o programa de mobilidade urbana sustentável de Curitiba. 

Para o analista ouvido pela Sputnik Brasil, a decisão dos Estados Unidos de não mais apoiar um nome brasileiro não significará um afastamento entre os dois países.

"A decisão de lançar um candidato norte-americano à presidência do BID tem um caráter geopolítico estratégico que transcende as relações com o Brasil e não coloca a amizade em risco", diz Cassano.

O professor Universidade Presbiteriana Mackenzie também afirma que o BID deverá "disponibilizar recursos para a recuperação pós-pandemia".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала