- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Trump: EUA continuarão enviando hidroxicloroquina ao Brasil mesmo após veto de agência sanitária

© REUTERS / Kevin LamarquePresidente Donald Trump fala sobre a COVID-19 na Casa Branca, em Washington
Presidente Donald Trump fala sobre a COVID-19 na Casa Branca, em Washington - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Nesta segunda-feira (15), o presidente norte-americano, Donald Trump, disse que os Estados Unidos continuarão enviando hidroxicloroquina ao Brasil mesmo após veto de agência sanitária dos EUA ao medicamento.

Mais cedo, as autoridades sanitárias dos EUA revogaram a autorização emergencial para o uso da hidroxicloroquina contra a COVID-19 em solo norte-americano. Conforme publicou o G1, Trump respondeu a uma correspondente do portal que o envio ao Brasil continuará, mas afirmou que não sabia do veto ao medicamento dentro de seu país.

A Administração de Drogas e Alimentos (FDA, na sigla em inglês), agência sanitária dos EUA, afirmou em relatório que "não é mais razoável acreditar que as formulações orais de hidroxicloroquina e de cloroquina podem ser eficazes".

© REUTERS / Adriano MachadoJair Bolsonaro come cachorro quente em Brasília durante pandemia de coronavírus. Foto de 23 de maio de 2020.
Trump: EUA continuarão enviando hidroxicloroquina ao Brasil mesmo após veto de agência sanitária - Sputnik Brasil
Jair Bolsonaro come cachorro quente em Brasília durante pandemia de coronavírus. Foto de 23 de maio de 2020.

Cerca de dois milhões de doses do medicamento foram destinadas para envio ao Brasil após anúncio da medida por Trump, ainda no final de maio deste ano. À época, o anúncio veio mesmo contra recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), que afirma que não há estudos conclusivos sobre a eficácia do remédio contra a COVID-19.

No Brasil, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro tem defendido o uso do medicamento publicamente ao longo da pandemia. O governo de Bolsonaro chegou a importar insumos da Índia para a produção do medicamento e ampliou sua fabricação em laboratórios das Forças Armadas.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала