- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Edson Fachin vota pela validade do inquérito das fake news no STF

© AP Photo / Eraldo PeresEdson Fachin, ministro do Supremo Tribunal Federal
Edson Fachin, ministro do Supremo Tribunal Federal - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Na quarta-feira (10), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, votou pela validade do inquérito das fake news.

Fachin, que é relator do inquérito que pede a anulação do processo, recusou o pedido da Rede Sustentabilidade que havia solicitado a retirada da ação no ano passado, mas que voltou atrás no dia 29 de maio. Após rejeitar o pedido, o ministro do STF levou o caso para o plenário da Corte.

O inquérito das fake news investiga ameaças contra ministros do STF e também a disseminação de informações falsas de forma organizada na Internet. O julgamento no plenário do STF foi suspenso e será retomado daqui a uma semana, na quarta-feira (17).

Em 2019, o inquérito das fake news foi instaurado no STF como investigação de ofício e teve o ministro Alexandre de Moraes apontado como relator. A polêmica em torno do inquérito envolve a própria legalidade do processo, questionada inicialmente pela Rede.

© Foto / José Cruz/Agência Brasil O ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes durante julgamento.
Edson Fachin vota pela validade do inquérito das fake news no STF - Sputnik Brasil
O ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes durante julgamento.

Em seu voto, o ministro Edson Fachin remeteu-se a esse questionamento e reiterou a legalidade do inquérito baseado no regimento interno do STF. Fachin enfatizou que a "intolerância" do inquérito e classificou como "inadmissíveis" as defesas do fechamento do Congresso Nacional e do STF.

"Não há liberdade de expressão que ampare a defesa desses atos. Quem quer que os pratique precisa saber que enfrentará a justiça constitucional de seu país, que esse STF não os tolerará", disse o ministro.

Além de Fachin, a Advocacia Geral da União (AGU) e também a Procuradoria Geral da República (PGR), defenderam a manutenção do inquérito, que pode alcançar o Planalto e servir de base para a cassação da chapa Bolsonaro-Mourão através de ações no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала