China poderia perder 95% dos mísseis balísticos e de cruzeiro com pacto semelhante ao INF

© AP Photo / Mark SchiefelbeinVeículos militares chineses carregando o míssil de cruzeiro DF-100 no decorrer do desfile militar em homenagem aos 70 anos da criação da República Popular da China
Veículos militares chineses carregando o míssil de cruzeiro DF-100 no decorrer do desfile militar em homenagem aos 70 anos da criação da República Popular da China - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A China poderia perder quase todo seu arsenal de mísseis balísticos e de cruzeiro se assinasse um novo tratado estratégico de controle de armas, segundo análise de segurança.

A análise, que busca explanar as consequências para Ásia com o fim do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF, na sigla em inglês), é um dos capítulos da avaliação anual de segurança da Ásia-Pacífico publicada pelo Instituto Internacional para Estudos Estratégicos (IISS, na sigla em inglês).

O relatório do centro de estudos foi divulgado na sexta-feira (5), cobrindo questões de segurança como as relações entre Estados Unidos e China, além das políticas do Japão e Coreia do Norte, revela o portal Defense News.

A China poderia perder até 95% de seu arsenal de mísseis balísticos e de cruzeiro se assinasse um acordo semelhante ao tratado INF dos anos 1980, de acordo com os autores do estudo.

O antigo tratado, assinado pelos EUA e URSS em 1987, baniu todos os sistemas de mísseis com alcance entre 500 e 5.500 quilômetros. Em agosto de 2019, os EUA saíram do acordo, acusando a Rússia de violações.

© Sputnik / Yuri AbramochinSecretário Geral do PC da URSS, MIkhail Gorbachev, e presidente dos EUA, Ronald Reagan, assinam Tratado INF, em dezembro de 1987
China poderia perder 95% dos mísseis balísticos e de cruzeiro com pacto semelhante ao INF - Sputnik Brasil
Secretário Geral do PC da URSS, MIkhail Gorbachev, e presidente dos EUA, Ronald Reagan, assinam Tratado INF, em dezembro de 1987

Contudo, a análise do IISS sugere que a saída unilateral dos EUA foi impulsionada pelo crescimento do arsenal de mísseis da China, que seria dona do maior inventário do mundo de mísseis balísticos de curto e médio alcance. De acordo com estimativas do centro de estudos, a China possui mais de 2.200 mísseis que recaem nas restrições do INF.

Além disso, o relatório coloca em dúvida se a intenção dos EUA de desenvolver e instalar armas, anteriormente proibidas pelo INF, fará com que a China aceite negociar um controle de armas.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала