Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Revelada zona climática mais propícia à propagação da COVID-19

© REUTERS / Rupak De ChowdhuriCão vadio passa por mulheres na Índia em meio à propagação da COVID-19
Cão vadio passa por mulheres na Índia em meio à propagação da COVID-19 - Sputnik Brasil
Nos siga no
Grandes cidades localizadas em latitudes médias poderiam enfrentar uma nova onda de infecções nos últimos meses de 2020.

Pesquisadores da Universidade de Lanzhou (China) determinaram que 60% dos casos da COVID-19 foram registrados em zonas onde a temperatura climática oscila entre cinco e 15 graus Celsius. Resultados do estudo foram publicados recentemente na revista Science of The Total Environment, informa a agência Xinhua.

Além disso, pesquisadores estabeleceram que aproximadamente 73% dos casos confirmados se concentram em regiões com umidade de três a dez gramas por metro cúbico. Segundo os autores da pesquisa, a identificação dos parâmetros ambientais onde o vírus pode sobreviver ajuda a compreender seu padrão de dispersão global.

© REUTERS / Ricardo MoraesMilitares da Marinha do Brasil desinfectando o Aeroporto Internacional Tom Jobim durante a pandemia de coronavírus, Rio de Janeiro, 24 de abril de 2020
Revelada zona climática mais propícia à propagação da COVID-19 - Sputnik Brasil
Militares da Marinha do Brasil desinfectando o Aeroporto Internacional Tom Jobim durante a pandemia de coronavírus, Rio de Janeiro, 24 de abril de 2020

Os dados analisados compreendem aproximadamente 3,7 milhões de casos confirmados da COVID-19, registrados em 185 países e regiões entre 21 de janeiro e 6 de maio. Deste modo, pesquisadores estudaram a relação entre a proliferação e as condições meteorológicas, considerando temperatura e umidade.

Descobertas sugerem que o intervalo da temperatura encontrada pertence a uma zona climática otimizada em que a concentração do vírus aumenta consideravelmente no ambiente, assim como nas superfícies dos objetos.

No entanto, pesquisadores chineses advertem que o alcance da pandemia depende de vários fatores. "Não podemos confiar na conjectura de que a proliferação da COVID-19 será interrompida com um aumento da temperatura", assegurou coautor da pesquisa, Huang Zhongwei.

Ainda assim, explicaram que o novo coronavírus pode reaparecer ciclicamente e que as grandes cidades localizadas em altitudes médias poderiam enfrentar uma nova onda de infecções nos últimos meses de 2020, entre setembro e dezembro.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала