Detenção de executiva da Huawei no Canadá é 'grave incidente político', diz embaixada da China

© REUTERS / Jennifer GauthierDiretora financeira da empresa chinesa Huawei, Meng Wangzhou, durante sessão na Suprema Corte da Colúmbia Britânica, em Vancouver, no Canadá, 23 de janeiro de 2020
Diretora financeira da empresa chinesa Huawei, Meng Wangzhou, durante sessão na Suprema Corte da Colúmbia Britânica, em Vancouver, no Canadá, 23 de janeiro de 2020 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A embaixada da China no Canadá condenou a decisão da Justiça canadense pela detenção da diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, como um "grave incidente político".

Nesta quarta-feira (27), a Suprema Corte da Columbia Britânica, no Canadá, negou o pedido da defesa de Meng para encerrar um processo de extradição para os Estados Unidos.

Meng, filha do fundador e CEO da Huawei, Ren Zhengfei, foi presa em 1º de dezembro de 2018 no Aeroporto Internacional de Vancouver, a pedido do governo dos EUA. A executiva é acusada pelas autoridades norte-americanas por suposto papel na violação de sanções contra o Irã.

"Todo o caso é inteiramente um grave incidente político", disse o porta-voz da missão diplomática chinesa através de um comunicado nesta quarta-feira (27).

A embaixada chinesa também acusou os EUA de tentarem derrubar empresas chinesas de alta tecnologia e disse que o Canadá está agindo como cúmplice da injustiça, acrescentando que a China se opõe fortemente à decisão da Justiça local e que insta as autoridades canadenses a libertarem imediatamente a executiva da Huawei.

© AP Photo / Ng Han GuanMoradores usando máscaras verificam seus celulares perto de um anúncio de Huawei
Detenção de executiva da Huawei no Canadá é 'grave incidente político', diz embaixada da China - Sputnik Brasil
Moradores usando máscaras verificam seus celulares perto de um anúncio de Huawei

Durante o dia, autoridades canadenses, incluindo o ministro das Relações Exteriores do Canadá, François-Philippe Champagne, e o ministro da Defesa Nacional, Harjit Sajjan, afirmaram que a decisão foi "independente".

O ministro da Justiça do Canadá ainda pode se recusar a extraditar Meng se a ordem de extradição for considerada uma violação dos valores canadenses, de acordo com a decisão proferida pela juíza Heather Holmes.

O Departamento de Justiça dos EUA alega que Meng cometeu transgressões financeiras ao enganar o conglomerado financeiro multinacional HSBC, aprovando mais de US$ 100 milhões (cerca de R$ 527 milhões na cotação atual) em transações que violavam as sanções dos EUA impostas ao Irã, entre 2010 e 2014.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала